26 agosto 2015

Leilão de energia contrata 670 megawatts com domínio de eólicas

Correio do Brasil, com Reuters – de São Paulo:

O leilão de energia elétrica A-3 contratou nesta sexta-feira 669,5 megawatts em potência instalada, sendo dominado por usinas eólicas, que venderam a maior parte do total contratado, segundo informações da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).


O leilão de energia elétrica A-3 contratou nesta sexta-feira 669,5 megawatts em potência instalada

O certame realizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), para entrega de energia a partir de 2018, registrou um preço médio de R$ 188,87 por megawatt-hora, com deságio de 2,27 % ante os preços teto, considerado baixo e refletindo custos crescentes do setor.

Segundo a CCEE, R$ 10,96 bilhões serão movimentados ao longo do período de venda da energia, que é de 30 anos para as hidrelétricas e 20 anos para as demais usinas.

A implementação dos 29 empreendimentos vencedores do leilão demandará investimentos de R$ 2,5 bilhões, acrescentou a câmara.

As usinas eólicas venderam 538,8 megawatts, seguidas pelas pequenas centrais hidrelétricas, com 66,2 megawatts, e pelas térmicas a biomassa e gás natural, que somaram 64,5 megawatts em capacidade.

Do lado das distribuidoras de energia, que entram no certame como compradoras, os destaques foram Light, responsável por 16,6 % da contratação no leilão, seguida por Copel, com 14,4 %, e Celesc, com 9,2 %.

Já a AES Eletropaulo contratou apenas 1,6 % do total demandado, e a Cemar, da Equatorial Energia, apenas 0,4 %.

Pouca competição

O deságio médio de 2,27 % frente aos preços teto estabelecidos para cada fonte foi baixo, em linha com os resultados das últimas contratações realizadas em leilões do governo, em que não houve acentuada competição entre os investidores pela venda de energia.

O resultado refletiu reclamações das empresas do setor às vésperas do certame sobre preços teto apertados frente aos custos crescentes.

A energia contratada, 669,5 megawatts, também não representa um montante elevado, ficando em linha com o esperado por analistas, devido à forte redução no consumo de energia elétrica no país neste ano, que influencia a curva de demanda das empresas para os próximos anos.

Dos 19 parques eólicos viabilizados, sete são no Maranhão e oito no Piauí, enquanto os outros quatro empreendimentos serão instalados no Ceará. Os preços de venda da energia pelas usinas a vento variaram de R$ 182,42 por megawatt-hora a R$ 178,88 por megawatt-hora.

Dentre as usinas a biomassa, uma, em São Paulo, usará bagaço de cana, enquanto outra, no Rio Grande do Sul, será movida a casca de arroz. Os preços foram de R$ 210,73 por megawatt-hora e R$ 212 por megawatt-hora, respectivamente.

Já a única usina a gás natural do certame será construída na Bahia, com energia vendida a R$ 214,25 por megawatt-hora.

Sete pequenas hidrelétricas, que serão construídas em Minas Gerais, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, negociaram energia por entre R$ 202,85 por megawatt-hora e R$ 207 por megawatt-hora.

Por fonte, o deságio verificado foi de 5,1 % para as usinas hídricas, 2,4 % para as térmicas a biomassa e gás e 1,6 % para as eólicas.


25 agosto 2015

El Niño deve ter o efeito mais devastador em duas décadas

A anomalia climática, que espalha secas e tempestades, já começou e deve se amplificar até 2016 - com força mais destruidora do que a de 1997, seu ano mais dramático


Raquel Beer | Veja

Histriônico, corpanzil à mostra, o humorista Chris Farley, estrela do programa Saturday Night Live, criou um dos esquetes mais falados de 1997, ano em que um fenômeno da natureza virou assunto de mesa de bar. "Todas as tempestades tropicais devem curvar-se diante do El Niño. Juro por Deus que o El Niño está vindo pegar vocês", esbravejava. O tempo apagou a graça do personagem, mas o antigo sucesso, disponível no YouTube, ajuda a entender o impacto de uma alteração climática, batizada por pescadores do Peru e do Equador para lembrar o Menino (Niño) Jesus, em virtude de correntes marítimas quentes e inesperadas que despontavam próximo ao Natal.



Consequência do aquecimento brusco das águas do Pacífico tropical, o El Niño é um evento comum. Ocorre em intervalos que variam de dois a sete anos. Em 1997, ele mostrou toda a sua força ao elevar a temperatura das águas do Pacífico em até 5 graus. O resultado foi uma montanha-russa na pressão atmosférica, com mudanças bruscas na intensidade e no rumo dos ventos. Houve secas onde era para chover e tempestades onde devia apenas chuviscar. O ano seguinte, 1998, filho do El Niño, foi o mais quente desde o início das modernas medições. Os Estados Unidos presenciaram o período mais chuvoso em 104 anos e o norte do Brasil sofreu com secas e incêndios florestais, no avesso das chuvas e enchentes do sul. Calcula-se que os efeitos globais do El Niño de 1997 tenham levado à morte 23 000 pessoas e deixado 45 bilhões de dólares de prejuízo. A notícia preocupan­te: tudo indica que, neste ano, terá início um El Niño que pode superar o de dezoito anos atrás, mesmo em suas consequências negativas.

Há duas formas principais de identificar o estabelecimento de um fenômeno desse gênero. Inicialmente, pela medição da temperatura das águas superficiais do Pacífico tropical. Se a elevação passa de 0,5 grau, configura-se um El Niño. Caso supere 1,5 grau, considera-se que ele é intenso. Hoje, o aumento está em torno de 1 grau. O El Niño chegou, porém não se estabilizou, e, pelas estimativas de climatologistas, isso só deve ocorrer quando ultrapassar os 2 graus. Há quem aposte que chegará próximo dos 3 graus. A outra forma de identificá-lo é por meio do chamado Índice de Oscilação do Sul (SOI). Trata-se de um número, neutro, positivo ou negativo, que mede a diferença da pressão atmosférica entre dois pontos da Terra, um na cidade australiana de Darwin e o outro no Taiti. Em situação normal, ambos têm a mesma pressão. Quando há um El Niño, cria-­se uma diferença negativa entre eles.

Um olhar cuidadoso sobre o clima ao longo deste ano e as previsões para 2016 demonstram que estamos na iminência de um El Niño crescido. Há similaridades evidentes entre 1997 e 2015. Além da alta possibilidade de a temperatura média do Oceano Pacífico novamente se elevar mais de 2 graus, nos dois casos a diferença apontada pelo SOI gira em torno de -15, o que evidencia uma disparidade radical entre a pressão atmosférica na Austrália e no Taiti. Por enquanto, não sentimos os efeitos mais drásticos deste El Niño, mas um comunicado da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (Noaa) alerta para o fato de que as piores consequências estão por vir. Há, segundo os especialistas, 85% de probabilidade de o fenômeno continuar ao menos até abril do ano que vem.

O El Niño deve espalhar anomalias climáticas pelo planeta. O norte do Brasil, por exemplo, pode ficar ainda mais seco, vetor para incêndios naturais em florestas. O sul deve sofrer com tempestades e inundações. "O problema é que não conseguimos prever tudo com total certeza. Um El Niño nunca é igual ao antecessor", afirma a americana Michelle L'Heureux, meteorologista do Centro de Previsões Climáticas do Noaa. Mas existem algumas pistas para indicar a dimensão do fenômeno.

Chove quase metade do usual no norte e no nordeste brasileiros desde março deste ano. Em consequência, o risco de incêndios em florestas e de perdas na agricultura e na pecuária nordestinas é maior, com evidente prejuízo para a oferta de energia de fontes hidrelétricas e para o abastecimento de água. No sul, houve 64% de aumento na quantidade de chuvas em julho em relação ao ano anterior. Culturas típicas da temporada de verão, como soja e milho, devem se beneficiar. Haverá enchentes, porém, o que deve levar a mortes e a números exponenciais de desabrigados. O El Niño, na trilha de seus estragos, mexe inapelavelmente com a economia mundial, sobretudo quando se verifica que os Estados Unidos estarão entre os países hipoteticamente mais afetados. Uma área ainda mais quente de águas do Pacífico Norte, conhecida como "a bolha" - inexistente no fenômeno extremo de 1997 -, tende a diminuir a quantidade de chuvas que rumam em direção à Costa Oeste americana. Em consequência, deve-­se intensificar a gravidade da seca no Estado da Califórnia.

Preocupa saber que se evoluiu muito pouco ou quase nada na tecnologia de detecção e combate à anomalia climática desde 1997. Para identificar a chegada do El Niño, ainda se usam os mesmos dois métodos do fim dos anos 90. Há boias meteorológicas espalhadas pelo Pacífico equatorial que monitoram a temperatura de águas em até 500 metros quadrados de superfície aquática, a intensidade dos ventos e as condições atmosféricas. Além disso, os climatologistas se apoiam em uma rede de mais de 100 satélites, quantidade pouco maior que a de 1997, afeitos a monitorar a temperatura dos oceanos, a formação de campos de vapor em áreas dos mares e a distribuição de ozônio na atmosfera.

Na verdade, apesar dos avanços tecnológicos, houve falhas no monitoramento do fenômeno nos últimos dezoito anos. Em 2012, o Noaa sofreu cortes de orçamento do governo americano, sendo forçado a desativar um navio encarregado da manutenção das boias no Pacífico. Resultado: quinze das antes setenta unidades não funcionam mais. Das 55 que sobraram, mais da metade apresentou falhas nos últimos dois anos. Em resumo, o Noaa vem trabalhando com 40% dos recursos que tinha para prever e combater os efeitos do El Niño. "É o fenômeno climático mais importante da Terra e nos despreparamos para ele", reclamou o americano Michael McPhaden, cientista do Noaa que dirigiu o projeto das boias. Um editorial da revista americana Science, a mais prestigiada publicação de ciência do planeta, faz eco ao descuido: "Para economizar poucos milhões de dólares, o Noaa deixou o planeta parcialmente cego a um fenômeno que pode custar bilhões de dólares em danos".

Soa exagero, parece profecia do acaso, mas é o que a ciência antecipa. No entanto, há um alento nesse cenário de contornos ruins: sabemos hoje muito mais sobre o que é o El Niño e o que ele pode causar. Estudos que surgiram na última década começam a associar o aquecimento global radical pelo qual a Terra tem passado no último século, em consequência direta da queima de combustíveis fósseis como o petróleo, com o gradual crescimento da força do El Niño. Ou seja, são os gases de efeito estufa emitidos pela humanidade que podem estar alimentando a anomalia. Se a teoria se confirmar, o setor privado poderá se tornar um grande aliado. Em fevereiro deste ano, a companhia americana de exploração espacial SpaceX, criada por Elon Musk, o Steve Jobs da hora (criador também do sistema de pagamentos on-line PayPal e da fabricante de carros elétricos Tesla), uniu-­se à Nasa para levar para os céus o primeiro satélite capaz de monitorar com apuro mudanças climáticas. Inovação que deve ser usada para prever efeitos do El Niño e, assim, se preparar para eles.