26 janeiro 2012

Especialistas brasileiros encontram rios em geleira perto do Polo Sul

De acordo com pesquisadores, fenômeno traz novas dúvidas sobre efeitos do aquecimento global na Antártida

EFE


Uma equipe de cientistas brasileiros e chilenos descobriu rios superficiais gerados pelo aumento da temperatura em uma geleira situada a cerca de mil quilômetros do Polo Sul.

O glaciólogo Ricardo Jaña, do Instituto Antártico Chileno (Inach), disse nesta quinta-feira (26) que a descoberta foi "algo inesperado", já que nessa região da Antártida as temperaturas se mantêm quase sempre abaixo de zero.

Os riachos de água podem ser visto em um das geleiras que alimentam à geleira União, uma cordilheira de gelo com cúpulas que superam os quatro mil metros de altura.

Jaña disse que os 17 cientistas que participaram da expedição viram primeiro os rios de água corrente e posteriormente a área congelou-se novamente, o que deixou marcas de erosão na camada mais superficial de gelo.

O especialista explicou que a aparição dos rios se deve à presença de uma área livre de gelo perto da geleira. "As rochas estão expostas, absorvem o calor e o transferem à neve e ao gelo circundante. O gelo se funde em uma boa proporção e a água forma os riachos", detalhou.

Para Jaña, este fenômeno traz novas dúvidas sobre os efeitos do aquecimento global na Antártida e será um bom ponto de partida para pesquisas futuras. "O que chama a atenção do fenômeno da mudança climática é a velocidade com a qual acontece nesta parte do planeta", frisou.

O glaciólogo é um dos cientistas chilenos que participaram da expedição Criosfera, liderada por especialistas brasileiros e financiada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação.

Durante a expedição, os cientistas instalaram e puseram em funcionamento um laboratório automatizado para estudar a atmosfera a apenas 670 quilômetros do Polo Sul.

Além disso, extraíram um pedaço de gelo de cem metros de longitude que permitirá conhecer novos detalhes do clima do passado recente na Antártida.

Óleo vaza em terminal marítimo do RS

O vazamento ocorreu durante operação de descarregamento de um navio, segundo a empresa, e ainda não foi possível quantificar o volume de óleo derramado

Rogerio Santana/Divulgação/Reuters
Vazamento
Ainda não há mais detalhes sobre o tamanho do vazamento ou se a mancha de óleo estaria indo em direção às praias

São Paulo - A Transpetro, subsidiária de logística e dutos da Petrobras, informou nesta quinta-feira que há um vazamento de óleo no Terminal de Osório, em Tramandaí (RS).

O vazamento ocorreu durante operação de descarregamento de um navio, segundo a empresa, e ainda não foi possível quantificar o volume de óleo derramado. As causas do incidente estão sendo investigadas, disse a companhia em nota.

Os órgãos ambientais, a Agência Nacional do Petróleo (ANP) e a Capitania dos Portos foram comunicados, e o Centro de Defesa Ambiental (CDA) foi acionado para iniciar os trabalhos de contenção e remoção do produto.

O órgão ambiental do Rio Grande do Sul, a Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luiz Roessler (Fepam), informou que enviou uma equipe ao local para estudar o derramamento. Mas ainda não há mais detalhes sobre o tamanho do vazamento ou se a mancha de óleo estaria indo em direção às praias.

O centro de Emergência da Fepam disse que só seriam dadas mais informações após um sobrevoo à região e reuniões junto à Transpetro.

Lixo acumulado em Noronha começa a ser retirado

FÁBIO GUIBU
DE RECIFE – FOLHA DE SP

Cerca de 1.800 toneladas de lixo acumuladas em Fernando de Noronha (PE) começaram a ser retiradas da ilha nesta semana e transportadas em uma balsa oceânica para o continente. 

O volume, equivalente à produção local de um ano e três meses, permanecia no arquipélago porque a embarcação responsável pela coleta mensal não tinha capacidade para transportar esse lixo excedente, acumulado ao longo de anos. 

"Também não tínhamos como contratar navios maiores, porque, no porto, o mar não possuía profundidade para atracá-los", disse o administrador de Noronha, Romeu Baptista. 

Segundo ele, a profundidade foi aumentada, e as 3.500 sacas com 500 quilos de detritos sólidos cada uma serão retiradas da ilha em três viagens, no prazo de um mês. A Vigilância Sanitária acompanha a operação. 

A balsa, com 45 metros de comprimento, desembarcará o lixo no porto de Suape (a 60 km de Recife). Os dejetos, já separados por tipo (plástico, metal, papel) na própria ilha, serão levados para o centro de tratamento de resíduos, em Jaboatão dos Guararapes (Grande Recife).

25 janeiro 2012

Tempestade solar atinge a Terra

Band

Uma tempestade solar atinge a Terra nesta terça e quarta-feiras. A nuvem de partículas radioativas pode afetar satélites, a comunicação entre aviões perto dos pólos e redes elétricas de alta tensão.