04 outubro 2008

Feira Ambiental auxilia e estimula o setor industrial para atuar em prol do desenvolvimento Sustentável



Cláudia Rago TG

A X FIMAI / SIMAI – Feira e Seminário Internacional de Meio Ambiente Industrial e Sustentabilidade, acontece nos dias 12,13 e 14 de novembro de 2008, no Expo Center Norte - Pavilhão Azul, São Paulo, SP. O evento é um importante local de encontro entre empresas e diversos profissionais que atuam no setor de meio ambiente industrial.

A feira que chega à sua 10ª edição, se tornou uma marca consagrada no calendário de eventos de várias delegações internacionais como um importante canal para fomentar e disseminar, conceitos, negócios, novas tecnologias e serviços ambientais em nível mundial.

Atualmente o setor de meio ambiente é um mercado que gera muitos empregos, além de contribuir para o desenvolvimento sustentável. De acordo com pesquisas recentes, foi detectado que este é um momento propício para o Brasil gerar oportunidades de investimentos na área ambiental.

“Dentro desse cenário positivo e promissor, podemos citar, como exemplo, a expansão do painel internacional da feira, que a cada ano, aumenta a participação de diversos países e delegações internacionais: expondo e participando dos seminários; divulgando novas tecnologias e os recursos de seus países; firmando parcerias e constituindo contatos bilaterais com as empresas brasileiras”, destacou Julio Tocalino Neto, diretor da FIMAI.

O público-alvo da feira é constituído por: analistas, consultores, diretores, gerentes, técnicos na área de meio ambiente que caracteriza o excelente nível dos expositores e visitantes e reforça o crescimento exponencial do mercado externo e na própria feira, que contou com: 370 expositores nacionais e internacionais; mais de 35 mil visitantes; e gerou aproximadamente R$ 600 milhões em acordos e negócios, na edição de 2007.

A FIMAI destacando seu caráter em sintonia com os esforços para a mitigação dos efeitos do aquecimento global no mundo, promoverá, pelo 2º ano, em parceria com o BCB – Brazilian Carbon Bureau, a compensação das emissões de gases de efeito estufa gerados durante o evento, decorrentes das atividades que envolvem sua logística como: geração de energia, lixo produzido, meios de transportes, entre outros.

Para maiores informações acesse: http://www.fimai.com.br/

Serviços
FIMAI / SIMAI 2008
Feira e Seminário Internacional de Meio Ambiente Industrial e Sustentabilidade

Eventos Paralelos
X SIMAI – Seminário Internacional de Meio Ambiente Industrial e Sustentabilidade
IV Recicle Cempre – Seminário de Resíduos

Data: 12, 13 e 14 de novembro de 2008
Horário Feira: das 14h00 às 21h00 – entrada franca

Horários Seminários
SIMAI: das 08h00 às 18h30 - pago, com inscrições prévias
Recicle Cempre: das 09h00 às 19h00 – pago, com inscrições préviasLocal: Expo Center Norte – Pavilhão Azul

Endereço: Rua José Bernardo Pinto, 333 – Vila Guilherme – SP
Site: http://www.fimai.com.br/
Realização: Ambientepress Comunicação Ambiental

29 setembro 2008

Pantanal vale US$ 112 bilhões, diz estudo

Valor anual da mata em pé é 270 vezes maior do que o lucro da pecuária que a derruba, afirma cientista da Embrapa

Migração da criação de gado extensiva para técnicas mais lucrativas estimula desmatamento nas áreas não-alagáveis do bioma



CLAUDIO ANGELO
EDITOR DE CIÊNCIA

Quanto vale um bioma? A pergunta pode parecer maluca, mas, se o bioma em questão for o Pantanal, ela já pode ser respondida: US$ 112 bilhões por ano, no mínimo. Várias ordens de grandeza mais que o máximo de US$ 414 milhões anuais que a devastação do local gera.

O cálculo foi feito por um pesquisador da Embrapa Pantanal, em Corumbá, e põe pela primeira vez em perspectiva o valor dos serviços ambientais prestados pela maior planície alagável fluvial do mundo, comparados com aquilo que é gerado pela pecuária, a mais rentável atividade econômica praticada na região.

Segundo o oceanógrafo e economista gaúcho André Steffens Moraes, "perdido no Pantanal desde 1989", um hectare preservado do bioma que detém a maior concentração de fauna das Américas vale entre US$ 8.100 e US$ 17.500 por ano. A conta é detalhada em sua tese de doutorado, recém-defendida na Universidade Federal de Pernambuco e disponível para download (www.cpap.embrapa.br/teses).

Nela, Moraes inclui valores potenciais de coisas como madeira, produtos florestais não-madeireiros e ecoturismo. Mas também de coisas que não estão nem podem ser colocadas facilmente no mercado, como o valor da polinização feita por aves e insetos, o controle de erosão e, principalmente, a oferta e regulação de água – produtos e serviços que são perdidos quando a vegetação tomba. "Eu analisei quanto a sociedade perde quando se desmata", disse o pesquisador.

Estilo Zé Leôncio

Com terras que ficam alagadas até 8 meses por ano, impróprias para a agricultura e abundantes em gramíneas, o Pantanal parece combinar com a pecuária, única atividade – além do turismo – rentável ali. Hoje há 5,3 milhões de cabeças no bioma, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

A pecuária também parece combinar com o Pantanal: como o capim faz parte do ecossistema, não é preciso recorrer ao desmatamento para criar gado. Há no bioma uma coexistência pacífica única no Brasil entre gado e fauna, que acaba tornando os fazendeiros da região conservacionistas, no melhor estilo Zé Leôncio (o fazendeiro consciencioso da novela "Pantanal", interpretado pelo ator Cláudio Marzo). No jargão dos economistas, esse pecuaristas são considerados "satisficers" (saciadores) e não "maximizers" (maximizadores).

Segundo Moraes, o gado é de certa forma bom para a fauna: com carne de sobra, a pressão de caça diminui.

Desmate na cordilheira

O problema é que viver como Zé Leôncio não é para quem está interessado em grandes lucros: "A pecuária é extensiva, então a rentabilidade é baixa", afirmou Moraes à Folha. Para ser exato, cada hectare de boi em pasto nativo rende US$ 12,5 ao ano para os produtores.

E é claro que pouca gente quer ser Zé Leôncio hoje em dia. A partir dos anos 1970, um aumento na demanda por carne associado a uma inundação no rio Taquari que diminuiu a área de pasto natural fez os fazendeiros começarem a derrubar as matas nas chamadas cordilheiras, as áreas de floresta que ficam secas o ano todo.

Sem a dor-de-cabeça de precisar tirar o gado todo ano quando o pasto alaga - que reduz o peso dos animais -, quem cria gado nas cordilheiras ganha mais dinheiro: US$ 28 por hectare ao ano.
Isso obviamente teve impacto direto sobre o bioma. Até 1991, apenas 545 mil hectares de mata nativa pantaneira haviam tombado. Em 2000 já era 1,2 milhão de hectares, ou 30% da área do Pantanal.

"O pecuarista não tem alternativa produtiva. O mercado o pressiona para desmatar e pôr pasto", diz Moraes. "Quando ele faz isso, as ONGs e a sociedade criticam, mas eu como pecuarista faria a mesma coisa."

Cientista sugere incentivo para gado "ecológico"

Além de tentar estabelecer um valor para a mata, o economista André Steffens Moraes também estimar o quanto o ganho adicional de R$ 15,50 por hectare - a diferença entre a pecuária de "seco", que desmata, e a de "molhado" - se traduz em prejuízos decorrentes da perda do habitat pantaneiro.

Para isso, ele recorreu a uma série de análises de custo-benefício e a estudos anteriores sobre quanto as pessoas estariam dispostas a pagar pela simples existência do Pantanal. De longe o serviço que mais vale é a oferta de água, a verdadeira commodity do Pantanal. O fornecimento garantido pela vegetação e a regulação de cheias e secas vale mais de US$ 3.000 por hectare ao ano.

Benefícios globais, como armazenagem de carbono e regulação do clima, foram também calculados, mas de maneira menos precisa, já que há poucos estudos sobre o ciclo do carbono naquele bioma. Somados, os benefícios locais e globais chegam a US$ 8.100.

"São US$ 8.100 contra US$ 30. Uma loucura, né?"

No entanto, quando se agrega a variável um tanto exótica do "valor de existência", a loucura fica ainda maior: um hectare de Pantanal preservado chega a quase US$ 17.500, e o valor total do bioma, a incríveis US$ 242 bilhões por ano.

Moraes, porém, não sugere que os fazendeiros deixem de desmatar em nome desse suposto valor de existência - um dinheiro que, afinal, existe só em teoria. "Todo mundo se beneficia, mas quem paga o custo da conservação é o pecuarista."

A proposta do pesquisador é que a sociedade subsidie os Zés Leôncios, pagando para que eles não desmatem. Uma forma de fazer isso seria dar crédito mais barato a pecuaristas que mantêm suas áreas sem derrubada. Outra seria cobrar dos hotéis pantaneiros uma taxa para financiar pecuaristas. (CA)