02 junho 2008

Área desmatada só em abril equivale ao tamanho da cidade do Rio de Janeiro


Menos nuvens permitiu que degradação maior fosse detectada, diz INPE. Mato Grosso registrou 70%

Radar registra 1.123 km² de desmatamento na Amazônia em abril

São José dos Campos - Subiu para 1.123 km² a área desmatada na Amazônia Legal em abril deste ano, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) divulgados na tarde desta segunda-feira. De acordo com o sistema Deter (Detecção do Desmatamento em Tempo real), houve um aumento dos alertas de desmatamento na região em relação a março de 2008, quando foram constatados 145 km² de alerta de desmatamento.

O aumento verificado na área de alertas de desmatamento de março para abril é explicado em parte pela maior oportunidade de observação. Enquanto no mês de março 78% da Amazônia estava sob nuvens, em abril a cobertura foi reduzida para 53%. Em particular, para o estado do Mato Grosso a cobertura de nuvens foi de 69% em março e apenas 14% em abril.

Mato Grosso e Roraima são os dois estados com maior área desmatada, segundo o Inpe. Em março, Mato Grosso tinha 112, 4 km² de alerta de desmatamento, sendo 69% de sua área coberta por nuvens. Roraima, que permitia boa visualização, teve 18,8 km² de alerta de desmatamento.

Um 'Maracanã' a cada dez segundos

Segundo dados apresentados pelo diretor do Inpe, Gilberto Câmara, até agora 17% da cobertura original da floresta já foram desmatadas, totalizando cerca de 700 mil quilômetros quadrados, dos quais 300 mil quilômetros quadrados desmatados só nos últimos vinte anos.

Além disso, a cada dez segundos, de acordo com o diretor, é desmatada uma área equivalente a um campo de futebol, na Amazônia. No cômputo geral, as áreas mais devastadas são o estado de Rondônia, o nordeste de Mato Grosso e o leste do Pará.

O Deter foi concebido como um sistema de alerta para suporte à fiscalização e controle de desmatamento. São mapeadas tanto áreas de corte raso quanto áreas em processo de desmatamento por degradação florestal. Por conta da resolução limitada é possível detectar apenas polígonos de desmatamento com área maior que 25 hectares. Devido à cobertura de nuvens, nem todos os desmatamentos maiores que 25 hectares são identificados pelo sistema.