08 maio 2007

Investimentos Verdes, Aplicação Madura

Sabe quais são os fundos de investimentos que mais crescem nos principais mercados financeiros do mundo? Aqueles com “selo verde”, ou seja, que respeitam o meio ambiente. Entenda mais sobre esse jeito de fazer seu dinheiro render sem perder de vista a preservação da natureza. Boa colheita!

Ana Holanda - Bons Fluidos

Muitas empresas – dentro e fora do país – estão percebendo que o respeito ao meio ambiente pode render frutos ou, pelo menos, rechear mais os cofres. Foi dessa premissa que surgiram os tais fundos verdes: uma variação de fundo de investimento que alguns bancos oferecem. O que isso tem a ver com você? É uma opção a mais – e também interessante – para não deixar o dinheiro extra parado. A aplicação, em geral, é feita em ações de empresas que preenchem os critérios de sustentabilidade e ganham o chamado “selo verde”. Fazem parte desse grupo companhias que, entre outras coisas, preservam o meio ambiente e não poluem nos processos de produção nem no produto que comercializam. “É uma nova forma de as pessoas avaliarem as empresas. Antigamente, era apenas pelo lucro, mas nos últimos anos tem sido levado em conta a riqueza intangível (confiabilidade na marca, ações responsáveis etc.)”, conta a consultora de finanças carioca Sandra Blanco, que tem um site só para tirar dúvidas sobre investimentos para mulheres, o MulherInvest.com.br.

CAPITAL VERDE

Um dos primeiros bancos a apostar nisso foi o Banco Real ABN Amro, que criou, em 2001, o Fundo Ethical – cada entidade dá um nome diferente para seu produto. A aplicação inicial é de singelos R$ 100. Bem possível, não é? Esse tipo de investimento, aliás, é uma tendência – e você ainda vai ver muito disso por aí – e veio na esteira de uma mudança na maneira de enxergar e também gerir os negócios. Ser social e ambientalmente responsável é um dos pontos para uma empresa conseguir, por exemplo, linhas de crédito mais facilmente no exterior.

Para quem investe, também é interessante. Uma organização com esse tipo de atitude verde sinaliza ao investidor que suas chances de ter que enfrentar processos por questões relacionadas a desrespeito à natureza são menores – entre outras tantas coisas que podem afetar seu desempenho financeiro.

E há mais: ações de empresas assim estão em alta no mercado. É o que indica a Bolsa de Valores de Nova York e a de Londres. Ambas criaram em 1999 e 2004, respectivamente, um índice de sustentabilidade, que reúne corporações com quesitos como ótimos lucros, bom gerenciamento e respeito ao verde.

A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) também tem o seu. É o Indíce de Sustentabilidade Empresarial (ISE), criado em 2005 e que, hoje, reúne 43 ações emitidas por 34 empresas. “Fazer parte desse índice demonstra que a companhia está preocupada com a sustentabilidade”, diz Rogério Marques, supervisor de assistência ao mercado da Bovespa. Quem coloca seu dinheirinho ali? “O pragmático, que pensa a longo prazo e gosta de apostar em empresas com selo verde pela maior probabilidade de retorno da aplicação, e os verdes de carteirinha, que não admitem ser sócios de uma firma que polui o meio ambiente”, afirma Marques. Você, se quiser, pode fazer parte dessa turma.

SETE DICAS PARA FAZER SEU DINHEIRO CRESCER

A consultora Sandra Blanco dá algumas sugestões sobre o que você deve levar em conta no momento de investir em ações dessa ou daquela empresa.
1 Analise o faturamento e os lucros crescentes nos últimos anos.
2 A empresa ou seus gestores já se envolveram em algo ilegal?
3 A liquidez das ações no mercado: é fácil comprá-las e vendê-las?
4 Verifique se a empresa investe em programas sociais, iniciativas culturais e projetos ambientais. Já há pesquisas que confirmam que empresas com boas práticas de governança faturam e lucram mais.
5 Diversifique os investimentos: algumas ações se desvalorizam, outras multiplicam seu valor e, assim, seu resultado pode ser positivo sempre.
6 Estabeleça um horizonte de longo prazo: escolha aplicações que possam ser usufruidas na aposentadoria ou para a educação dos filhos.
7 Fique de olho: acompanhe as notícias da empresa de que você tem ações pelo menos uma vez por mês e avalie as recomendações dos especialistas.