04 fevereiro 2017

Medo de febre amarela faz moradores do Leste de MG matarem macacos

Especialistas alertam que primatas não são causadores da doença.Matar os animais é um crime ambiental, passível de multas e até prisão.


Jornal Nacional

O surto de febre amarela na região leste de Minas foi acompanhado de um movimento perigoso, motivado pela desinformação. Moradores de várias cidades brasileiras passaram a matar macacos, achando que isso ajudaria a combater a doença. Mas os especialistas alertam que não é só um crime. É um erro grave.

Resultado de imagem para macaco morto febre amarela

Os fiscais do Ibama e do Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais receberam a denúncia de que os macacos estariam sendo mortos na zona rural de Novo Cruzeiro e de Ladainha, na Região Leste de Minas.

As duas cidades registraram vários casos de febre amarela em humanos. A suspeita é de que, com medo, moradores, principalmente da área rural, estariam matando os animais. Dona Valdíria, que já foi vacinada contra a doença, conta que os macaquinhos sumiram da região.

“Ouvi tiros. Eu sabia. Acho que os tiros estavam sendo nos macacos, porque eles ficavam assombrados. Eu sabia que estavam atacando eles. Eu gritava também. Eu gritava daqui pra não fazer isso com os bichinhos”, conta Valdíria Gomes, agricultora.

Matar os animais é um crime ambiental. Dá até um ano de cadeia e multa que pode chegar a R$ 5 mil.

“É impossível determinar quem são os caçadores, de onde eles vêm, quais os momentos que eles agem de imediato. Mas a gente vai coletar informação suficiente para a gente organizar a operação e fazer um controle efetivo dessa ação aqui”, afirma Daniel Vilela, analista ambiental do Ibama.

Segundo os biólogos, os macacos são como anjos da guarda, quando se trata de febre amarela. A presença de animais mortos pela doença é um alerta para que as autoridades de saúde de que a população que vive ali perto precisa ser vacinada. Sem os macacos, os casos de febre amarela só vão ser descobertos quando as pessoas apresentarem os sintomas da doença.

“Os primatas, definitivamente, não são causadores da febre amarela. Eles não trouxeram a febre amarela pra cidade. Existem pessoas que pensam que a febre amarela é transmitida através da mordida, do contato com o primata. Isso não acontece. O vetor da doença, na verdade, é o mosquito”, explica a bióloga Marina Henriques Lage Duarte.

A Secretaria de Saúde de Minas começou uma campanha para tentar acabar com essa caça aos macacos.

Quando um morador encontrar um animal doente ou morto, deve avisar o centro de zoonoses da cidade o mais rápido possível.

O Ministério da Saúde atualizou os dados sobre a febre amarela no país. São 921 casos suspeitos e 161 confirmados. As notificações de mortes chegam a 150. Sessenta delas estão confirmadas.


Postar um comentário