23 setembro 2015

No RN, 153 cidades terão emergência renovada por causa da seca

Decreto de estado de emergência será renovado dia 28, diz Gabinete Civil.
Segundo governo, esta é a pior estiagem dos últimos 100 anos no estado.


Anderson Barbosa | G1 RN

O estado de emergência no qual se encontram mais de 90% dos municípios potiguares afetados pela seca será renovado por mais 180 dias. Em contato com o G1, a secretária-chefe do Gabinete Civil do Estado, Tatiana Mendes Cunha, confirmou que uma nova publicação será feita na edição do próximo dia 28 no Diário Oficial do Estado renovando o decreto por mais 180 dias.

Açude Gargalheiras, em Acari, está praticamente seco por conta da estiagem prolongada (Foto: Anderson Barbosa/G1)Açude Gargalheiras, em Acari, está praticamente seco por conta da estiagem prolongada (Foto: Anderson Barbosa/G1)

Dos 167 municípios potiguares, 153 estão em situação crítica em razão da escassez hídrica. Destes, 122 são abastecidos por caminhões-pipa, 35 fornecem água aos moradores por meio de rodízios e 11 estão em colapso no abastecimento. Segundo o governo do estado, esta é a pior seca dos últimos 100 anos. Os prejuízos, somente no ano passado, somam R$ 3,8 bilhões.

Nesta segunda-feira (21), ainda de acordo com o Gabinete Civil, prefeitos das onze cidades que estão em colapso (Acari, Antônio Martins, Carnaúba dos Dantas, Currais Novos, João Dias, Luís Gomes, Paraná, Pilões, Riacho de Santana, São Miguel e Tenente Ananias) se reúnem com o governo para detalhar o chamado Plano de Enfrentamento da Seca, anunciado na semana passada pelo governador Robinson Faria.

Segundo Robinson, o governo do estado está traçando estratégias de ação para a convivência com a estiagem. O plano, para o qual foram pleiteados R$ 63 milhões, é pensado para os próximos seis meses. “Estramos enfrentando a maior crise hídrica da história do nosso estado”, frisou.

Três pontos principais compõem o plano. No primeiro, o estado pretende equipar, perfurar e comprar materiais para poços. O segundo diz respeito à forragem e ração animal, principalmente para os pequenos agropecuaristas. O último, é sobre a utilização de carros-pipa. O governo quer que o Exército Brasileiro também abasteça a zona urbana das cidades que estão em colapso.

Oiticica

Na semana passada, após reunião com o governador do RN, o ministro da Integração Nacional, Gilberto Occhi, afirmou que o Rio Grande do Norte deve receber R$ 6 milhões para a continuidade das obras da barragem de Oiticica, que estão atrasadas. Pelo cronograma inicial, deveria ter sido entregue em junho deste ano. Porém, só deve ficar pronta em dezembro de 2016. O reservatório está sendo construído em Jucurutu, na região Seridó, e deve beneficiar meio milhão de pessoas em 17 municípios.

Especial 'Seca no RN'

Na semana passada, o G1 e a Inter TV Cabugi publicaram e exibiram reportagens especiais sobre a seca no Rio Grande do Norte. Durante cinco dias, foram percorridos 1.400 quilômetros e visitadas 19 cidades nas regiões Seridó e Oeste do estado. Durante o trajeto, foi possível ver que a estiagem está mudando hábitos e transformando paisagens interior a dentro. Reservatórios secaram, cachoeiras desapareceram e o verde da vegetação ganhou tons de cinza. O solo rachou, animais morreram, plantações foram dizimadas.

Tempo seco baixa nível do Cantareira e dos demais reservatórios

Cantareira não recebe chuva desde o dia 14, diz Sabesp.
Demais mananciais também perderam volume com estiagem.


Do G1 São Paulo

O tempo seco derrubou o nível de todos os reservatórios que abastecem a Grande São Paulo nesta segunda-feira (21), segundo dados da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp).

Segundo funcionário da marina que usa a Represa Jaguari-Jacareí, em Piracaia, nível original do volume morto estava acima da área com vegetação, à direita da imagem (Foto: Ana Carolina Moreno/G1)Represa Jaguari-Jacareí, parte do sistema Cantareira, no fim de agosto. Nível original estava acima da área com vegetação à direita (Foto: Ana Carolina Moreno/G1)

O Cantareira está sem receber chuvas desde o dia 14 e voltou a perder volume, passando de 16,4% para 16,3%.

O índice de 16,3% do Cantareira divulgado pela Sabesp considera o cálculo feito com base na divisão do volume armazenado pelo volume útil de água.

Após ação do Ministério Público (MP), aceita pela Justiça, a companhia passou a divulgar outros dois índices para o Sistema Cantareira.

O segundo índice leva em consideração a conta do volume armazenado pelo volume total de água do Cantareira. Nesta segunda, ele era de 12,6%. O terceiro índice leva em consideração o volume armazenado menos o volume da reserva técnica pelo volume útil, e era de -12,9% nesta manhã.

Setembro é o primeiro mês desde março que o Cantareira supera a previsão de chuvas. O acumulado está em 108,9 milímetros, contra 86,6 mm previstos.

Depois de uma semana boa, a precipitação parou nos últimos dias, mas a contribuição de rios afluentes ainda colabora para que o nível não caia. Apesar disso, o sistema ainda está no volume morto.

Sem chuvas, os demais sistemas que abastecem a região metropolitana registraram diminuição no volume de água armazenado.

Já o sistema Alto Tietê teve uma queda de 0,1 ponto percentual neste domingo, passando de 15,9% para 15,8%.

O Guarapiranga também registrou queda e opera com 78,2%. No sábado, o sistema estava com 78,3% da capacidade.

Já no Alto Cotia, a dimiuição do volume da água foi maior e atingiu 0,3 pontos percentuais, passando de 60,6% para 60,3%.

O sistema Rio Grande operava com 87,1% da su capacidade neste domingo, uma queda de 0,4 pontos percentuais nas últimas 24 horas.

No Rio Claro, a queda foi de 0,5 pontos percentuais e passou de 58,9% para 58,4%.

Agosto

Os novos números do Sistema Cantareira contrastam com o mau desempenho em agosto, mês em que teve apenas 30,7 mm de chuvas, o equivalente a 89,2% da média histórica do mês (34,4 mm).

Agosto foi o quinto mês seguido em que o sistema, que abastece 5,3 milhões de pessoas na Grande São Paulo, fechou "no vermelho".

Falta de planejamento

O Tribunal de Contas do Estado (TCE) informou que a falta de água em São Paulo foi resultado da falta de planejamento do governo paulista.

O órgão relatou que a Secretaria Estadual de Recursos Hídricos (SSRH) recebeu vários alertas sobre a necessidade de um plano de contingência para eventuais riscos de escassez hídrica na Região Metropolitana de São Paulo. A pasta negou as alegações e disse que era impossível prever a estiagem de 2014.

As informações fazem parte do parecer do TCE sobre as contas do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), do ano passado. O TCE aprovou as contas do tucano com ressalvas no fim de junho e listou 20 recomendações em diferentes áreas que o governo deveria adotar.

Medidas preventivas 

Sobre a seca no estado, o Tribunal de Contas afirmou que outras medidas poderiam ter sido adotadas para que a crise não chegasse "ao ponto em que se encontra atualmente, ou pelo menos para que seus efeitos fossem minimizados".

Entre as propostas está a despoluição dos rios Tietê e Pinheiros, a recuperação da represa Billings e o combate mais efetivo de perdas de água na distribuição.

A Secretaria de Recursos Hídricos informou ao TCE que implantou diversas ações para uma situação de estresse hídrico, como o Programa de Uso Racional da Água (PURA), financiamento de estudos, projetos, obras e serviços ligados ao controle de perdas, e adoção de medidas para a prática de reúso de efluentes tratados para uso industrial, urbano e na agricultura.

Em nota enviada ao G1, o governo informou ainda que nenhum instituto ou especialista previu a severidade da seca que atingiu a região sudeste em 2014.