11 outubro 2014

Em 30 anos, Mar de Aral seca no Cazaquistão

Dunas avançam e secam o que já foi um dos maiores lagos do planeta
Ambição desenfreada da antiga União Soviética transformou Mar de Aral em um retrato triste. Em cerca de 30 anos, o volume da água caiu em 90%.


Globo Repórter

A paisagem é de um vazio tão grandioso que até a monotonia se torna exuberante, mas não se engane, o país das estepes tem um patrimônio natural capaz de surpreender. Florestas, desertos, montanhas, canyons, lagos que parecem uma pintura. O país voltado para o futuro tem que acertar as contas com o passado.



Um dos piores desastres ambientais do planeta, uma tragédia anunciada onde o homem é a maior vítima e ao mesmo tempo o principal responsável. E as pessoas ficam se perguntando, como tamanha destruição não foi evitada?

O Mar de Aral era sinônimo de fartura. Barcos pescavam 60 toneladas por ano. Mas a ambição desenfreada da antiga União Soviética transformou a área em uma enorme plantação. No projeto, dois rios que abasteciam o mar Aral foram desviados para irrigar as super safras de algodão. Foi uma sentença para o quarto maior lago de água salgada do mundo, tão grande que passou a ser chamado de mar.

Em Akespe, no Cazaquistão, há 50 anos em uma vila próspera, famílias viviam exclusivamente do que tiravam do mar, com o tempo o Aral recuou, as dunas avançaram e muitos moradores tiveram que ir embora. A areia está engolindo boa parte das casas. Só 23 famílias decidiram ficar na terra dos antepassados.

“Quando o mar secou não tinha produção, eu me mudei para a cidade porque aqui não tinha trabalho para os pescadores”, diz o pescador Nurlan Demenov.

Barcos pesqueiros encalhados é um retrato triste

Acredite, o lugar onde hoje pastam os camelos, há menos de 40 anos nadavam os peixes. As conchas se espalham por toda parte.

A imagem dos barcos pesqueiros encalhados é um retrato triste do mar que quase desapareceu. E muitos que ficaram perto da areia foram divididos em pedaços e vendidos como sucata. É só uma questão de tempo para não sobrar mais nada. A ferrugem vai consumindo as carcaças dos barcos depenados. São marcas sombrias de um passado nem tão distante assim.

A tragédia fica ainda mais impressionante quando é vista do alto, nas fotos de satélite da Nasa: em cerca de 30 anos, o volume da água caiu em 90%.

Aralsk foi uma das maiores cidades à beira do mar de Aral. Chegou a ter 100 mil moradores. Hoje, eles não passam de 40 mil. O porto de Aralsk era um dos mais importantes da região. Uma grande área ficava no fundo do mar. No cais, a profundidade chegava a 12 metros. Atualmente, velhos guindastes, que permanecem no local, não tem mais função alguma, a não ser lembrar de uma história de dor, perdas e desolação. Uma história que Aralsk faz questão de preservar. Um museu guarda equipamentos, fotos e barcos dos tempos em que a pesca era farta.

“Quando eu falo sobre esse mar para as crianças, parece conto de fadas, mas eu vi esse mar, eu nadei nele”, diz Madi Zhasikenov, guia do museu de Aralsk.

Barragem construída para salvar o que restou do Mar de Aral

Mas a esperança não morreu. O mar e as pessoas estão voltando, lentamente para o vilarejo de Akespe. Resultado de uma barragem construída para salvar o que restou da parte norte do Aral. A presença de diferentes espécies de aves e de parte da vegetação é um bom sinal. É a prova de que a natureza é capaz de reagir quando existe uma chance, por menor que seja. Alguns outros moradores das estepes também sofreram.

E é bom ter atenção nas estradas do Cazaquistão, porque eles estão na pista. Fortes e resistentes à vida dura no deserto, os camelos, quem diria, enfrentaram muitas dificuldades para sobreviver em tempos soviéticos.

Criação de camelos resiste ao fim da União Soviética

Os líderes comunistas decidiram que os produtores rurais deveriam investir na criação de carneiros e cabras, que tinham mais aceitação no mercado externo. Mas muitos fazendeiros resistiram e desde o fim da União Soviética, a quantidade de camelos aumentou em 30%.

Uma fazenda já foi sede de uma cooperativa do governo soviético. Na vizinhança, 70 produtores, criam cerca de 2 mil camelos, misturados a cavalos, vacas, cabras e ovelhas. Nos estábulos feitos com galhos secos da vegetação ficam as fêmeas leiteiras.

Mas não pense que é fácil tirar leite de camela, ainda mais com a presença de estranhos. É preciso amarrar a pata para não correr o risco de levar um coice. As fêmeas só produzem leite quando estão amamentando, por isso é importante levar o filhotinho para estimular a produção de leite na hora da ordenha. Cada camelo bebe mais de 50 litros de água por dia e consegue encarar uma maratona de até 100 quilômetros de travessia no deserto.

SP: Seis sistemas de abastecimento registram queda em seus níveis

Correio do Brasil
Por Redação, com ABr - de São Paulo

Os seis sistemas de abastecimento de água de cidades da região metropolitana de São Paulo tiveram queda em seus níveis desta quinta para esta sexta-feira, de acordo com dados da Companhia de Saneamento Básico do estado de São Paulo (Sabesp). No Sistema Cantareira, que já opera utilizando parte da reserva técnica, o nível passou de 5,3% para 5,1%. No Alto Tietê , ontem, a Sabesp registrou 11,1% da capacidade e hoje registra 10,9%.


No Sistema Cantareira, que já opera utilizando parte da reserva técnica, o nível passou de 5,3% para 5,1%No Sistema Cantareira, que já opera utilizando parte da reserva técnica, o nível passou de 5,3% para 5,1%

No Sistema Guarapiranga houve queda de 6 pontos percentuais, com o nível de água passando de 48,7% para 48,1%. No Alto Cotia passou de 33,7% para 33,3%. No Rio Grande, ontem, o nível era 75,3 e hoje a Sabesp registra 75%. E no Rio Claro o nível passou de 56,5% para 55,8%.

Em nenhum dos sistemas foi registrada chuva. De acordo com informações do CPTEC/INPE, não há previsão de chuva para a região Sudeste para os próximos dias. Para hoje no norte do Espírito Santo e no nordeste de Minas Gerais haverá sol e variação de nuvens. Nas demais áreas da região, há sol e temperatura estável.

Para o sábado no litoral do Espírito Santo e sul de São Paulo haverá sol e variação de nuvens. Nas outras áreas o sol deve predominar com temperatura elevada e estável.

Na cidade de São Paulo nesta sexta-feira há sol com máxima chegando a 30°C. No final de semana, o sol também predomina com variação de 20°C a 32°C. A possibilidade de chuvas só aparece na tarde de terça-feira quando as temperaturas devem chegar a 20°C (mínima) e 32°C (máximas).



10 outubro 2014

Espanha tem mais três hospitalizados preventivamente por ebola

Dois médicos e um enfermeiro estão isolados em hospital em Madri.
Apenas enfermeiro tem sintomas, mas ainda não há diagnóstico.


France Presse

Mais três pessoas, dois médicos e um enfermeiro, deram entrada nesta quarta-feira (8) em um hospital madrileno por precaução, dois dias depois de noticiado o contágio por ebola de uma auxiliar de enfermagem - o primeiro caso fora da África -, informou o centro médico.

"Esta noite deram entrada dois médicos e um enfermeiro", explicou à AFP uma porta-voz do Hospital La Paz-Carlos III, encarregado dos casos de ebola.

Os novos pacientes são a médica que atendeu a auxiliar de enfermagem Teresa Romero antes de saber que essa profissional havia contraído o vírus ebola, e um outro médico do local onde a técnica vive, Alcorcón, um subúrbio ao sul da cidade.

"São considerados de alto risco porque estiveram em contato com a paciente, mas não têm os sintomas", afirmou a porta-voz, que explicou: por precaução, "agora, se alguém pede para dar entrada, nós o recebemos em observação".

O terceiro hospitalizado é um enfermeiro que, assim como a auxiliar infectada, fazia parte da equipe de funcionários que tratou de um missionário espanhol repatriado com ebola de Serra Leoa, em 22 de setembro, e que morreu em Madri três dias depois. "Ele, sim, tem sintomas", afirmou a porta-voz.

Com essas novas internações, são sete as pessoas isoladas no La Paz-Carlos III, incluindo o marido da técnica em enfermagem. Até o momento, apenas Teresa deu positivo para o ebola.

Uma auxiliar de enfermagem que deu entrada com febre baixa e um engenheiro espanhol que acabava de voltar da Nigéria receberam alta e deixaram o hospital na quarta-feira, acrescentou a fonte consultada pela AFP.

A enfermeira afetada pelo ebola integrou a equipe que atendeu dois missionários espanhóis repatriados da África. Eles morreram em 12 de agosto e em 25 de setembro.

Pelo menos 50 pessoas que podem ter tido contato com a auxiliar de enfermagem estão sendo vigiadas, e foi aberta uma investigação para localizar todos os moradores da região que podem ter sido expostos. O risco é alto, já que a mulher começou a apresentar os sintomas em 29 de setembro e foi internada no hospital apenas em 6 de outubro.


Paciente no Texas apresenta 'sinais e sintomas' de ebola, diz prefeitura

Comunicado foi divulgado por prefeitura de Frisco na tarde desta quarta.
Hospital Texas Health Presbyterian recebeu paciente com sintomas.


Do G1, em São Paulo

A prefeitura da cidade de Frisco, no Texas, divulgou uma nota, nesta quarta-feira (8), sobre um paciente que apresentou "sinais e sintomas" de ebola ao ser atendido pela clínica CareNow.

Segundo a nota, paramédicos e bombeiros estavam no processo de transporte do paciente no início da tarde desta quarta. "Eles também estão no processo de examinar a equipe clínica e outros funcionários do estabelecimento. O número de pessoas impactadas ainda é desconhecido", diz a declaração.

Segundo a prefeitura, o paciente alegou ter tido contato com o "paciente zero", de Dallas, referindo-se ao liberiano Thomas Eric Duncan, primeiro a ser diagnosticado com ebola nos Estados Unidos, que morreu nesta quarta-feira. A cidade de Frisco é um subúrbio de Dallas.

Mais tarde, o Hospital Texas Health Presbyterian, em Dallas, o mesmo onde Duncan foi diagnosticado com ebola, divulgou uma nota dizendo que um novo paciente tinha sido admitido na instituição depois de reportar "possível exposição" ao vírus.

"Neste momento, há mais perguntas do que respostas sobre esse caso. Nossa equipe de enfermeiros e médicos está preparada para examinar o paciente, discutir quaisquer achados com as agências apropriadas e autoridades. Estamos em alerta com precauções e sistemas em vigor", diz a nota divulgada pelo hospital.

Segundo a CNN, o chefe dos bombeiros de Frisco, Mark Piland, disse a repórteres, nesta quarta-feira, que o paciente entrou no apartamento onde Duncan tinha estado e teve "algum contato" com seus familiares.

Ele afirmou ainda que o paciente apresentou sintomas suficientes para acionar a triagem preliminar. Segundo ele, as autoridades de saúde estão tratando o caso como um "evento de baixo risco".

Morte de paciente

A morte de Duncan foi anunciada pelo Hospital Texas Health Presbyterian nesta quarta-feira. Ele havia tomado um medicamento experimental chamado brincidofovir no último sábado (4), quando seu estado de saúde passou de grave a crítico.

"É com profunda tristeza e com sincero desapontamento que informamos a morte de Thomas Eric Duncan às 7h51 desta manhã", dizia um comunicado do porta-voz do hospital.

Duncan foi a primeira pessoa diagnosticada com ebola nos Estados Unidos e acredita-se que ele tenha sido infectado na Libéria.

Moradores da capital liberiana acreditam que Duncan pegou a doença quando ajudou uma mulher enferma a entrar em um táxi para ser levada ao hospital.

Diversos pacientes norte-americanos foram enviados da África Ocidental para serem tratados nos Estados Unidos, mas Duncan foi a primeira pessoa a começar a demonstrar sintomas da doença já em território norte-americano.

Duncan conseguiu voar de Monróvia, capital da Libéria e epicentro do surto de ebola, para os EUA porque não apresentou febre ao ser examinado no aeroporto e preencheu um questionário dizendo que não teve contato com qualquer pessoa infectada pelo vírus letal.

Quase 3,9 mil mortos

A pior epidemia de ebola já registrada matou 3.879 pessoas, de 8.033 casos até o dia 5 de outubro na África Ocidental, de acordo com um balanço divulgado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta quarta-feira (8). Não há evidência de que a epidemia esteja sob controle.


Sabesp tirou mais água do Cantareira do que o permitido para crise, diz MP

Segundo ação civil pública, companhia ignorou norma definida pela ANA.
Operadora do sistema afirma que não foi notificada e que obedece agência.


Do G1 Piracicaba e Região

A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) descumpriu limites para retirada de água do Cantareira, segundo os ministérios públicos Estadual e Federal em Piracicaba (SP). Segundo ação civil pública proposta contra os gestores do sistema que abastece a Região Metropolitana da capital e parte do interior, as captações autorizadas foram estabelecidas em resolução de 2004, assinada pela Agência Nacional de Águas (ANA) e Departamento de Águas e Energia Elétrica (Daee).

De acordo com a ação civil, as normas estabelecidas há 10 anos previam que a retirada de água deveria obedecer a uma metodologia conhecida como curva de aversão ao risco. No entanto, a Sabesp "substituiu" o método pelo chamado "banco de água", o que contribuiu para o agravamento da atual crise no abastecimento vivido no estado, segundo Alexandra Facciolli, promotora de Justiça do Grupo de Atuação Especial de Defesa do Meio Ambiente (Gaema).

O processo judicial iniciado pela Promotoria e pela Procuradoria na Justiça Federal de Piracicaba, afirma que, em janeiro deste ano, quando o Cantareira operava com 27,14% do seu volume útil, a retirada de água permitida seria de 29 mil litros por segundo, de acordo com a metodologia de curva de aversão. No entanto, foram captados do sistema no mês 32,2 mil litros por segundo, afirma a ação civil pública. Situações semelhantes ocorreram também em fevereiro e março de 2014, ainda de acordo com o documento da promotoria.

Nesta quarta-feira (8), os promotores e o procurador da República falaram sobre a motivação da ação civil em coletiva de imprensa em Piracicaba. Para Alexandra Facciolli, há um "vazio de regras operativas" na gestão atual do Cantareira. "Identificamos uma lacuna porque as decisões não obedecem aos planos dos próprios gestores (ANA e Daee)", afirmou.

A ação civil é baseada em inquérito civil iniciado em 2013 e, segundo o promotor Ivan Carneiro, também do Gaema de Piracicaba, em dados técnicos dos próprios gestores do Cantareira, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e do Comitê das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ). Outro documento anexado no processo é um parecer técnico elaborado durante o inquérito. Segundo esse mesmo parecer, conforme o G1 noticiou em maio deste ano, a Sabesp descumpriu uma série de outras exigências estabelecidas em 2004 para a outorga de captação de água nas bacias dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí.

Resposta da Sabesp

Em nota enviada pela Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos do estado, a Sabesp informa que não foi notificada oficialmente sobre a ação civil, mas que cumpre todas as decisões da ANA, que tem a competência legal para fixar vazões e definir regras de operação do Cantareira. "Esse é um assunto técnico, que vem sendo tratado com responsabilidade, sempre buscando a cooperação de todas as autoridades envolvidas", diz a nota da assessoria.

08 outubro 2014

Três terremotos ocorrem na China em uma hora

Três terremotos ocorreram na China durante a última hora na província de Yunnan, no sudoeste da China, informa a mídia local.


Voz da Rússia

O primeiro sismo, de magnitude 6.6, ocorreu às 21.49 horas locais perto da cidade de Pu-erh. A este se seguiram outros dois de menor intensidade.

As autoridades locais declararam o nível de emergência dois. Ainda não há quaisquer notícias de vítimas.



Moradores reclamam do lixo deixado nas ruas após as eleições em Goiás

Comurg estima que votação gerou 143 toneladas de sujeira em Goiânia.
Jornal Anhanguera propôs que eleitos ajudem a limpar a cidade.


Do G1 GO, com informações da TV Anhanguera

Moradores de algumas cidades de Goiás estão revoltados com a quantidade de lixo deixado nas ruas após realização das eleições, no domingo (5). Santinhos e panfletos de vários candidatos foram jogados próximos aos locais de votação, produzindo, segundo a Companhia de Urbanização de Goiânia (Comurg), uma quantidade de 143 toneladas de lixo, somente na capital. Segundo o órgão, o aumento foi de 30% em relação ao último pleito.

Diante da situação, o Jornal Anhanguera 1ª edição propôs o desafio os candidatos eleitos ajudem a limpar a cidade, utilizando para do montante gasto na realização das eleições, cerca de R$ 31 milhões segundo prestação de contas feita à Justiça Eleitoral.

O presidente do Tribunal Regional Eleitoral de Goiás (TRE-GO), Walter Calos Lemes, informou que é fácil identificar os candidatos “sujões” e puni-los. "[Eles] podem ser punidos civilmente no sentido de reparar essa sujeira através de uma indenização, uma reposição de dinheiro para o município ou estado para que esse dinheiro seja aplicado na limpeza pública", explicou.

Internautas e telespectadores fizeram questão de apoiar a iniciativa e encaminharam fotos de locais tomados pela sujeira. Veja abaixo:

Juliana Cristina Romana da Silva - Goiânia

"Eu acho uma falta de vergonha essa sujeira feita e acredito que uma excelente forma de parar com isso seria a população deixar de votar em todo e qualquer candidato que tiver seu 'santinho' espalhado nas ruas. E como mostrado nessa foto da minha rua, a sociedade não perde essa mania irracional de sujar por sujar. Vai entender o raciocínio dos mesmos."

Getúlio Borges - Goiânia

"Fotos retiradas em frente ao juizado de pequenas causas no Jardim Novo Mundo, em Goiânia. Eu acredito que os candidatos têm que ser obrigados a limpar a sujeira deles, pois é uma falta de respeito com os eleitores. E ainda uma multa para que isso não aconteça mais".

Lixo eleições Goiânia, Goiás GEtúlio (Foto: Arquivo pessoal/Getúlio Borges)Para Getúlio, polítios têm de ser obrigado a limpar sujeira (Foto: Arquivo pessoal/Getúlio Borges)
Ádamo Pinheiro - Anápolis

"Uma nojeira o que fizeram na porta da minha casa e em toda cidade [Anápolis]. Convido os candidatos e seus "capangas" a limparem nossas calçadas.

Lixo eleições Goiânia, Goiás Adamo (Foto: Arquivo pessoal/Ádamo Pinheiro)Porta da casa de Ádamo foi tomada por santinhos: 'Nojeira' (Foto: Arquivo pessoal/Ádamo Pinheiro)


Geicileny Moreira Martins - Niquelândia

"Calçada da Feira Coberta de Niquelândia ainda às 9 da manhã [de domingo]".

Lixo eleições Goiânia, Goiás Geicy (Foto: Arquivo pessoal/Geicileny Moreira Martins )A calçada da feira de Niquelândia ficou tomada por sujeira (Foto: Arquivo pessoal/Geicileny Moreira Martins )


Outros internautas também manifestaram sua revolta com a situação em emails sobre o assunto. Leia abaixo:

Emerson Alvin - Goiânia

“Só há uma maneira de fazer com que esse desrespeito termine. Proibir a confecção deste tipo de material de campanha, tornando crime eleitoral e punindo quem insistir nesta prática. É impossível conscientizar quem não tem consciência”.

Andhreia Duarte – Aparecida de Goiânia

“É uma vergonha, deveria colocá-los para catar. Não é porque temos os garis que devemos abusar. Consciência de limpeza aprendemos em casa, na verdade, educação vem de berço. Concordo com o gari da reportagem, deveriam ser punidos. Deveria ser considero boca de urna fazê-los pagar uma multa. Não é isso que os políticos mais gostam de fazer, cobrar multas”.

Euripedes Gonçalves Moreira - Anápolis

“Certo candidato faz a carreata na véspera das eleições e jogou o santinho pela rua da cidade. Onde for a sujeira vai junto. Na Avenida Pedro Ludovico mesmo está sujo de santinhos. O Colégio Estadual Américo Borges de Carvalho, onde votei, está tudo sujo. Os garis vão levar um mês para limpar. Onde os candidatos gastam o dinheiro de nosso imposto para jogar o papel fora? Desse jeito o povo não dá pra pagar imposto. Os candidatos não tem consideração com a população”.

Flaviana Lupati - Goiânia

“Parabéns pela forma de abordar o tema. Já é hora de mostrar nossa indignação frente à falta de educação dos políticos. E não adianta dizer que os responsáveis são os cabos eleitorais. Pois os políticos e partidos são quem contrata os cabos eleitorais. Uma vergonha”.

Favio Alves Pereira Filho – Quirinópolis

“Estava indo pra casa junto com dois amigos por volta de 1h de domingo quando vi o vereador Marquinho (PSC) fazendo uma chuva de santinhos em frente uma escola de Quirinópolis. Uma falta de respeito tremenda com a população, com o meio ambiente e com os garis. Tentei fotografar o veículo do vereador, mas como ele estava em alta velocidade não consegui. Aliás, é mais uma falta de respeito já que estava colocando a vida de outras pessoas em risco”.

Tiago Pamplona – Anápolis

“Não acredito que os candidatos devam separar verba de campanha para a limpeza da cidade. Mas sim seja revista todas as formas de poluição que são geradas nas campanhas, visual (banners e totens), auditiva (carros de som dentre outras) que são agressivas e não influenciam no meu ponto de vista o voto do eleitor”.

Leandro Pessoa – Rio Verde

“Aqui em nossa cidade a sujeira de santinhos está enorme. Acho que todos os candidatos deveriam pagar multa e o dinheiro delas deveria ser dividido entre os garis”.

Adriano Dantas de Lima – Itumbiara

“Porque não se faz regras para que esses candidatos que tem seu material espalhado pelas ruas tenham suas candidaturas e consequentemente seu mandato, caso eleito, cassado. Pois se não consegue respeitar as leis antes de ser eleito, imagina quando tiver imunidade parlamentar”.

Jhonata Silva – Itumbiara

“Fico indignado com a sujeira que os candidatos fizeram aqui em Itumbiara, é uma tremenda falta de respeito”.

Rafael Gonçalves Borges – Catalão

“Proposta: pegar por amostra e a cada 1000 santinhos jogados no chão cancelar 10 votos válidos que o candidato recebeu”.

Cláudia Carvalho – Aragoiânia

Na porta e adjacências das zonas eleitorais está totalmente lotado de santinhos. É um absurdo isso. Se sujam assim a cidade, imagina o que farão no congresso e na assembleia? Estou indignada”.

Ludimilla Danas – Goiânia

“A população goiana deve exigir que os candidatos eleitos limpem a cidade. Se cada um doasse 5% do salário para a prefeitura, ajudaria com certeza o orçamento. Nós, simples mortais, quando fazemos qualquer festinha no nosso prédio, pagamos taxa extra para ajudar na
limpeza.”

Netto Santos – Catalão

“Esses políticos que sujam as cidades são os que menos merecem votos. Pois com certeza é aquele que não tem consciência ambiental”.

06 outubro 2014

Enfermeira espanhola testa positivo para ebola em Madri

Enfermeira tratou padre que morreu de ebola em Madri.


Reuters

Uma enfermeira espanhola em Madri, que tratou um padre que contraiu ebola na Libéria e morreu no último dia 25, testou positivo para a doença, anunciou a ministra da Saúde da Espanha, Ana Mato, nesta segunda-feira (6). Segundo a ministra, o protocolo de emergência contra a doença entra em vigor imediatamente para garantir a segurança dos cidadãos na cidade.

A enfermeira é a primeira pessoa a ter contraído a doença fora da África Ocidental. A notícia havia sido divulgada primeiramente pela mídia local.

Mato acrescentou que as autoridades locais estão trabalhando para detectar como a enfermeira contraiu a doença.

A mulher deve receber tratamento ainda nesta tarde, e as pessoas com as quais ela esteve em contato - 30 profissionais da saúde - estão sendo monitoradas.

A ministra acrescentou que a mulher saiu de férias no dia seguinte em que o padre Manuel Garcia Viejo morreu de ebola em Madri, no dia 25 de setembro, e começou a se sentir doente no dia 30. Segundo ela, a paciente está em condição "estável".

O jornal espanhol "El País" e a rádio "Cadena Ser" estão entre os veículos de comunicação que disseram que a enfermeira teve resultado positivo para ebola em exames iniciais, e que as autoridades aguardavam os resultados finais.

O número total de infectados por ebola na África Ocidental subiu para 7.492 pessoas, das quais 3.439 morreram, de acordo com o mais recente balanço feito pela Organização Mundial da Saúde (OMS).