02 maio 2014

Mais dois municípios de SC decretam situação de emergência após chuvas

São Domingos e Arabutã assinaram documento ainda na quinta-feira (1).
SC-283 entre Chapecó e Seara segue interditada em dois pontos.


Joana Caldas
Do G1 SC

Os municípios de São Domingos e Arabutã, no Oeste catarinense, decretaram situação de emergência por causa das chuvas, informou a Defesa Civil. Além desses, São Bernardino também assinou o documento, totalizando três cidades até a manhã desta sexta-feira (2). Todos os desalojados já voltaram às respectivas residências.

Entre a noite de quarta (30) e a madrugada de quinta (1) chuvas fortes atingiram a região Oeste catarinense. Diversas cidades registraram alagamentos e deslizamentos. Segundo a Defesa Civil, entre 120 e 150 famílias ficaram desalojadas.

No caso das três cidades que decretaram situação de emergência, os principais prejuízos foram alagamentos, desalojados, danos a rodovias, falta de água e enxurradas, informou o coordenador regional da Defesa Civil, Luciano Peri. Houve muitos problemas no interior desses municípios, já que, com o bloqueio de vias, ficou difícil o acesso de veículos para entregar alimentos e suprimentos para as criações de frangos e suínos.

Outros municípios do Oeste estudam a possibilidade de também fazer o decreto de emergência. Segundo o coordenador regional, Seara, Lindóia do Sul e Arvoredo verificam essa possibilidade nesta sexta-feira (2). Os decretos de São Bernardino, São Domingos e Arabutã foram feitos na quinta.

Conforme Luciano Peri, na manhã desta sexta, todos os desalojados já haviam voltado para as casas, com a diminuição do nível dos rios. Para esses moradores, o dia deverá ser de limpeza das residências. No caso da Defesa Civil, a atuação será relacionada a uma análise da situação dos municípios, para verificar a necessidade de apoio para assistência humanitária.

Rodovias interditadas

A Polícia Militar Rodoviária (PMRv) informou que, até 8h30 desta sexta dois trechos da SC-283 entre Chapecó e Seara seguiam interditados, um próximo ao km 61 e outro perto do km 51. Os agentes recomendam que os motoristas façam um desvio pela BR-282.

Na SC-155, o trânsito estava em meia pista entre Xavantina e Seara próximo ao km 97. A previsão é de que a rodovia seja totalmente liberada ainda nesta sexta (2).

Enterro

O enterro do menino de 11 anos que morreu afogado após ser levado pela correnteza de um rio em Xaxim está marcado para a manhã desta sexta-feira no Cemitério Municipal de Faxinal dos Guedes, também no Oeste. O corpo da criança foi encontrado por volta de 7h de quinta (1), conforme o Corpo de Bombeiros. O menino foi atravessar o local com o tio e os dois caíram na tarde de quarta. O homem conseguiu sair, mas o garoto foi levado pela água.

Chuvas provocam desabamento de casas em Maceió, dizem bombeiros

Ocorrências foram registradas no Dique Estrada e Jacintinho.
Equipes do Corpo de Bombeiros avaliam situação das áreas.


Do G1 AL

As chuvas fortes que caem desde a madrugada desta sexta-feira (2) provocaram desabamento de uma casa e de um barraco em Maceió. Os casos foram registrados no bairro do Jacintinho e no Conjunto Dique Estrada, na Favela Sururu de Capote. Ninguém ficou ferido. Segundo o Corpo de Bombeiros, na Sururu de Capote, a moradora do barraco que desabou ficou impedida de sair até a chegada do socorro. Ela foi resgatada sem ferimentos.

Equipes da Defesa Civil Municipal estão fazendo vistorias em áreas de riscos e atendendo a ocorrências. A recomendação do órgão é que as pessoas só saiam de casa se for realmente necessário.

Alagamentos

As chuvas causaram alagamentos em vários bairros da capital. Segundo a Defesa Civil, foram registradas ocorrências no Farol, Bebedouro, Trapiche, Levada, Pajuçara e Poço.

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) também informou que devido à forte chuva, trechos da BR-101 foram interditados na manhã de hoje, quando barreiras desabaram na pista. O órgão orienta que os motoristas evitem a rodovia.

Dicas de segurança

O Corpo de Bombeiros emitiu uma nota à imprensa sobre os cuidados que se deve ter em dias de chuva e alagamentos. "Em casa, se possível, ponha a salvo seus bens, mas lembre-se que algumas inundações se apresentam repentinamente. Nesses casos, o mais importante é proteger a sua vida e de seus familiares. Encaminhe-se imediatamente para um lugar seguro".

Ao primeiro sinal de chuva forte, deixe móveis e eletrodomésticos fora do alcance da água. Desligue equipamentos elétricos e eletrônicos, feche o registro do gás e da água; » Acompanhe o noticiário local pelo rádio e fique atento às mensagens de esclarecimento ou alarmes. E o mais importante: mantenha a calma para que possa tomar as providências necessárias. O pânico só piora a sua situação e de quem está a sua volta.

Os bombeiros orientam evitar ao máximo estar em áreas alagadas. "Terrenos acidentados, buracos e bueiros abertos, assim como fiação elétrica exposta podem causar acidentes graves. Ao encontrar-se em ruas alagadas, procure se proteger o máximo possível para evitar o contato com a água. Use calçados ou improvise, com sacos plásticos, proteção para as pernas. Evite cruzar pontes onde o nível do rio subiu; Não se abrigue embaixo de árvores e se mantenha distante de postes; Não se aproxime de cercas de arame, varais metálicos, linhas aéreas e trilhos".

Para os motoristas que precisam sair de casa, o Corpo de Bombeiros também orienta como proceder enquanto estiver no trânsito. "Aos primeiros sinais de alagamento procure áreas elevadas para estacionar e aguarde o nível da água baixar. Ande devagar, aumente a distância do veículo da frente e não feche os cruzamentos. Sintonize seu rádio no noticiário local e procure informações sobre as áreas alagadas. Evite-as. Poças podem esconder crateras. Se for inevitável, ao atravessá-las, mantenha aceleração contínua em primeira. Em hipótese alguma a água pode entrar pelo cano de descarga", orientam.


Nível de água do Sistema Cantareira chega a 10,5%

Queda foi de 0,2% de quarta para quinta-feira.
Não chove na região do sistema desde a sexta-feira (25).


Do G1 São Paulo

O volume acumulado no Sistema Cantareira caiu a 10,5% nesta quinta-feira (1º). A queda foi de 0,2%, já que na quarta-feira (30) o nível era de 10,7%.

Sexta-feira (25) foi o último dia em que choveu na região dos reservatórios, quando foi registrado 0,1 mm de chuva. No sábado (26) , no domingo (27), na segunda (28), na terça (29) e na quarta (30) não choveu nada.


Vista da Represa Jaguari, na cidade de   Vargem, no interior de São Paulo, onde   o índice que mede o volume de água   armazenado no Sistema Cantareira   registrou 11,96% da capacidade total   dos seus reservatórios, nesta quinta-feira (10) (Foto: Denny Cesare/Código19/Estadão Conteúdo)Vista da Represa Jaguari, do Sistema Cantareira, na cidade de Vargem, interior de São Paulo (Foto: Denny Cesare/Código19/Estadão Conteúdo)

A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) realiza obras emergenciais, desde o dia 17 de março, para retirar água do fundo dos reservatórios do Sistema. Segundo a companhia, o "volume morto" poderá abastecer a Grande São Paulo por quatro meses e deve começar a ser usado entre julho e agosto.

A obra está orçada em 80 milhões de reais e vai tornar útil uma reserva de 300 bilhões de litros de água que fica abaixo do nível das comportas.

Segundo um cálculo feito pelo professor especialista em recursos hídricos da Universidade de São Paulo (USP) Rubem Porto, e publicado pelo G1 em 19 de março, a água do Cantareira deve durar até setembro. Com o uso do volume morto, o abastecimento na Região Metropolitana de São Paulo ganha um "respiro" até fevereiro de 2015.

Conta mais cara

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), anunciou em 22 de abril que os moradores da região metropolitana abastecidos pelo Sistema Cantareira terão acréscimo na conta caso aumentem o consumo de água.

De acordo com Alckmin, o consumidor que gastar acima da média no próximo mês pagará conta 30% mais cara em junho. Já os consumidores de 31 cidades atendidas pela Sabesp que conseguirem economizar 20% receberão desconto de 30%

Quando questionado nesta terça-feira (29) sobre a previsão para a utilização do volume morto do Sistema Cantareira, o governador afirmou que haverá uma reunião de secretários de várias pastas para a avaliação da eficácia da extensão do bônus pela economia de água para 31 cidades atendidas pela Sabesp.

“Vai ter uma reunião de avaliação para ver o resultado. Acho que todas [as cidades] vão ajudar [a poupar água]”, afirmou.

Alckmin voltou a explicar que a economia de água em cidades abastecidas por outros sistemas podem contribuir para garantir o abastecimento de bairros originalmente abastecidos pelo Cantareira. De acordo com Alckmin, os sistemas Alto Tietê e Guarapiranga aliviaram a situação do Cantareira. A partir de setembro, o Riacho Grande também deverá atuar no mesmo sentido.

“Temos uma reserva técnica [volume morto] de 400 milhões de metros cúbicos. Nós pretendemos retirar, se necessário, 190 milhões. As obras estão praticamente concluídas”, afirmou. Ele não afirmou qual será a data em que começam a operar. “Provavelmente em maio”, afirmou.

Multa 

A possibilidade de multa foi divulgada pelo secretário de Saneamento e Recursos Hídricos do estado de São Paulo, Mauro Arce, na quinta-feira (17). Em entrevista à Rádio CBN, ele disse que a multa deve começar a ser aplicada entre maio e junho.

A multa é planejada como forma de incentivar a economia de água em um momento de recorde negativo no nível dos reservatórios do Sistema Cantareira, que abastece a Grande São Paulo. O governo do estado diz que não há racionamento e que problemas no abastecimento em alguns bairros são resultados de manobras pontuais da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp).

Apesar de moradores de bairros da capital paulista e de cidades da Grande São Paulo relataram falta d'água em períodos do dia, conforme adiantou o G1 no mês de março, o governo nega a existência de racionamento de água. Na semana passada, o governador disse que A Sabesp informou que a falta d´água em alguns bairros da cidade são manobras técnicas pontuais devido à utilização de água dos sistemas Guarapiranga e Alto Tietê para abastecer áreas atendidas originalmente pelo Sistema Cantareira.

De acordo com o secretário Mauro Arce, cerca de 75% dos consumidores conseguiram reduzir o consumo de água desde o início da campanha da Sabesp, em fevereiro. Desses, cerca de metade conseguiu se beneficiar de um bônus (desconto) de 30% por ter economizado 20% da média mensal.


Chuva e ventos fortes afetam 2,4 mil pessoas e deixam 280 desabrigados

Chuva atingiu o PR entre a tarde de quarta (30) e esta quinta-feira (1º).

Ventos passaram de 77 km/h em Ponta Grossa e 60 km/h em Curitiba.


Do G1 PR

A chuva que atingiu parte do Paraná entre a tarde de quarta-feira (30) e madrugada desta quinta-feira (1º) afetou 2.486 pessoas em cinco municípios. Segundo a Defesa Civil Estadual, a maior parte das ocorrências foram por conta de alagamentos e destelhamentos. Ainda conforme a Defesa Civil, até o início desta manhã, o município mais afetado era Santo Antônio do Sudoeste, com 1,2 mil moradores atingidos. Do total de pessoas afetadas, 810 ficaram desalojadas e 280 estão desabrigadas. Ninguém ficou ferido.

Durante a madrugada desta quinta, os ventos passaram de 77 km/h em Ponta Grossa, na região dos Campos Gerais. Ao todo, 25 casas foram destelhadas. Em Curitiba e no litoral, os vendavais passaram de 60 km/h. Até o início da manhã, não havia casos de destelhamentos, de acordo com a Defesa Civil.

Os municípios afetados são Ampére, Francisco Beltrão, Santo Antônio do Sudoeste, São Miguel do Iguaçu e Ponta Grossa.

Transporte fluvial interrompido

Na tarde de quarta, a Marinha do Brasil determinou a interrupção do transporte de pessoas e veículos por barco entre o Brasil e o Paraguai por causa da chuva. Segundo o comandante da Capitania Fluvial do Rio Paraná, Alexandre Ernesto Correa Sampaio, a medida foi tomada por segurança. Na manhã desta quinta, o serviço já tinha sido normalizado.

Também na quarta, em Foz do Iguaçu, a Avenida das Cataratas ficou alagada, perto da ponte do Rio Tamanduá. A Polícia Rodoviária Federal (PRF) foi até o local para ajudar os motoristas. No jardim Primavera, o Rio Boicy transbordou e invadiu várias casas. Em um trecho da Rua Flávio Cavanieri, quase todas as casas ficaram alagadas.

Segundo o Instituto Meteorológico Simepar, o volume de chuva em Foz, na quarta, foi quase o mesmo da média mensal na cidade.

30 abril 2014

Tornados e tempestades deixam pelo menos 35 mortos nos Estados Unidos

Quase 75 milhões de pessoas podem ser afetadas por tempestades.
Área de risco envolve seis estados; situação pode se agravar.


France Presse

Ao menos 35 pessoas morreram devido aos tornados e às tempestades que atingiram seis estados americanos nos últimos dias, informaram as autoridades na noite desta terça-feira (29), no momento em que milhões de residentes do sul e do leste do país temem o agravamento das condições climáticas.

Quase 75 milhões de pessoas habitam as áreas que podem ser afetadas por tempestades intensas e tornados nas próximas horas, segundo o Serviço Nacional de Meteorologia.

A área de risco envolve Mississippi, Alabama e Tennessee, onde já morreram 17 pessoas, e os estados de Arkansas, Iowa e Oklahoma, com o total de 18 óbitos provocados pelos tornados.

Os serviços meteorológicos preveem 'tormentas elétricas severas no sul do Mississippi, no oeste do Alabama e no leste da Louisiana.

Os governadores de Alabama e Geórgia decretaram estado de emergência em suas jurisdições.

O senador por Mississippi Giles Ward teve que se refugiar com a família no banheiro de casa quando um tornado destruiu sua residência de dois andares.

Entre os mortos está um estudante da Universidade do Alabama, John Servati, que foi atingido por um muro mas conseguiu salvar sua namorada, segundo o jornal The Clarion-Ledger.

O tornado que devastou Louisville, no Mississippi, atingiu a categoria EF4, com ventos de entre 265 e 320 km/h, o que o torna um dos mais intensos a atingir os Estados Unidos este ano.

Nas áreas do Arkansas mais afetadas pelos tornados de domingo, equipes de emergência intensificaram as buscas de sobreviventes.

Na cidade de Vilonia, o chefe de polícia Brad McNew afirmou que a localidade de 4.000 habitantes ficou irreconhecível.

Os tornados também devastaram grandes áreas de Mayflower, de 2.300 habitantes e que fica perto da capital do estado do Arkansas, Little Rock.

Dezenas de residências também foram destruídas no estado do Kansas, mas as autoridades não informaram sobre vítimas fatais.

O presidente Barack Obama ofereceu condolências e prometeu ajuda do governo federal para as regiões afetadas.


ONS nega necessidade de reduzir consumo de energia no país

Represas chegaram ao fim de abril com nível abaixo do seguro.
Diretor nega ter recomendado ao governo restringir consumo.


Fábio Amato
Do G1, em Brasília

O diretor-geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Hermes Chipp, disse nesta terça-feira (29) que estudos feitos pelo órgão não indicam necessidade de corte no consumo de energia em 2014 para evitar o agravamento da situação nos reservatórios das principais hidrelétricas do país – e a necessidade de um racionamento em 2015.

Em nota divulgada no site do ONS, Chipp informa que esses estudos foram feitos com base na condição atual de armazenamento de água nessas represas, que tem o nível mais baixo para essa época desde 2001, e na previsão de chuvas até o final deste ano. Ele também negou que o órgão tenha recomendado ao governo a adoção imediata de medidas para reduzir o consumo de energia.

“Os estudos técnicos realizados de acordo com os critérios vigentes, com base na atual situação dos reservatórios e nas condições hidrológicas previstas, não indicam a necessidade de adoção de cortes de energia. Portanto, em nenhuma circunstância o ONS recomendou, defendeu ou sugeriu a imediata implantação de medidas restritivas [ao consumo de energia]”, diz a nota.

Chipp afirma, porém, que “caso ocorra um agravamento das condições hidrológicas no período de maio a novembro, diferentemente do que é atualmente esperado, o ONS poderá propor medidas adicionais às autoridades setoriais, de forma que fique garantido o fornecimento de energia elétrica para a sociedade.”

Nível abaixo do seguro

Os reservatórios das principais hidrelétricas do país vão chegar ao fim do período de chuvas de 2014, que termina junto com o mês de abril, com armazenamento de água abaixo do limite considerado seguro pelo ONS para garantir, sem problemas, o abastecimento de energia no país ao longo deste ano.

De acordo com o ONS, as represas das hidrelétricas que ficam no Sudeste e Centro-Oeste, responsáveis por cerca de 70% da capacidade de geração de energia do país, registravam armazenamento de 38,16% na segunda (28) e devem chegar ao dia 2 maio (próxima sexta) com 39% de armazenamento.

Em fevereiro, o diretor-geral do ONS, Hermes Chipp, disse a jornalistas que, para que não houvesse dificuldades no fornecimento de energia no Brasil neste ano e em 2015, os reservatórios deveriam estar com, no mínimo, 43% de armazenamento ao final de abril.

“Esse nível de 43% é adequando para que a gente não precise de grandes afluências [água que chega aos reservatórios] no período seco”, disse Chipp em fevereiro. Como o índice não foi atingido, vai ser importante que, durante o período mais seco, que vai de maio a outubro, chegue às represas do Sudeste e Centro-Oeste uma quantidade de água pelo menos equivalente à media de anos anteriores para garantir o fornecimento de energia sem dificuldades.

Governo nega racionamento

O governo vem negando risco de racionamento no Brasil. Em notas divulgadas nos últimos meses, o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) afirma que o país só deve enfrentar falta de energia em 2014 caso ocorra nos próximos meses “uma série de vazões pior do que as já registradas”, algo que o CMSE considera “evento de baixa probabilidade.”

No dia 19 de fevereiro, questionado sobre as declarações de Chipp, o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, disse que não faltará energia no Brasil em 2014 “sob nenhuma circunstância.” “Mesmo que não chegue a esse nível [de 43% ao final de abril], não teremos problema de abastecimento”, afirmou o ministro na época.

Chuvas fracas

A crise no setor elétrico brasileiro é resultado da estiagem no início de 2014. Em janeiro e fevereiro, chegou às hidrelétricas do Sudeste e Centro-Oeste água equivalente a 54% e 39% da média histórica, respectivamente. O índice de fevereiro é o segundo pior para o mês em 84 anos. O de janeiro foi o terceiro pior em igual período.

Em abril, as chuvas ficaram mais próximas dos índices históricos. Chegou aos reservatórios, até agora, cerca de 80% da água esperada para o mês. Isso, porém, só contribuiu para uma tímida recuperação do nível de armazenamento nas represas das duas regiões, que passou de 36,26% ao final de março para 38,16% na segunda (28), número mais recente.

Para poupar água dos reservatórios, foram acionadas todas as termelétricas disponíveis no país, que hoje respondem por cerca de 20% da energia consumida. Porém, como essas usinas funcionam por meio da queima de combustíveis como óleo e gás, a energia produzida por elas é mais cara e vai encarecer a tarifa de luz.


29 abril 2014

Campinas chega a 17 mil casos de dengue na maior epidemia da história

Região Norte é a mais afetada do município, de acordo com a Prefeitura.
Secretaria de Saúde investiga quatro mortes e um óbito já foi registrado.


Do G1 Campinas e Região

Em meio a maior epidemia de dengue da história da cidade, a Prefeitura de Campinas(SP) divulgou novo balanço e o número de casos confirmados chegou a 17.136 de 1º de janeiro até esta segunda-feira (28). No levantamento anterior, de 17 de abril, eram 14.002. A Secretaria de Saúde investiga quatro mortes e um óbito de morador do município já foi registrado.

Diferentemente dos balanços anteriores, a região Norte agora é a mais afetada da cidade e são 4.505 casos confirmados. Em seguida vem a Noroeste, com 4.269, Sudoeste (3.552), Sul (3.010) e Leste (1.800). Segundo a Prefeitura, durante combate à doença foram visitados 120 mil imóveis para retirada de criadouros desde o ano passado.

Ainda de acordo com a administração municipal, foram feitos mutirões de limpeza em 200 bairros de todas as regiões da cidade, com ênfase no Campo Belo, Campo Grande e Ouro Verde. Com autorização da Justiça, agentes de saúde têm entrado em imóveis fechado para eliminar focos de dengue. A Prefeitura mencionou ainda a autorização para contratar 122 novos profissionais de enfermagem.

Recomendações

Aos primeiros sintomas da dengue (febre, dor de cabeça, dores nas articulações e no fundo dos olhos), a recomendação do Ministério da Saúde é procurar o serviço de saúde mais próximo e não se automedicar. Quem usa remédio por conta própria pode mascarar sintomas e, com isso, dificultar o diagnóstico.

Para diminuir a proliferação do mosquito, é importante que a população verifique o adequado armazenamento de água, o acondicionamento do lixo e a eliminação de todos os recipientes sem uso que possam acumular água e virar criadouros do mosquito. Além disso, é essencial cobrar o cuidado do gestor local com ambientes públicos, como o recolhimento regular de lixo nas vias, a limpeza de terrenos baldios, praças, cemitérios e borracharias.

  •  
Saiba quais são os sintomas da dengue (Foto: Editoria de Arte G1)

28 abril 2014

Número de mortos com passagem de tornados nos EUA chega a 18

Vítimas foram registradas no Arkansas, Oklahoma e Iowa.
Obama prometeu ajuda do governo federal para as áreas afetadas.


France Presse

Tornados potentes que afetam o sul e sudoeste dos Estados Unidos mataram pelo menos 18 pessoas, segundo os primeiros balanços divulgados nesta segunda-feira, enquanto o presidente Barack Obama prometeu ajuda do governo federal para as áreas afetadas.

As autoridades de Arkansas disseram que pelo menos 10 pessoas morreram em Faulkner e outras seis no resto do Estado -- as primeiras vítimas por tornados neste ano. Outra pessoa morreu em Quapaw, no vizinho Okalhoma, segundo o gabinete do xerife local. A polícia de Iowa informou que houve uma morte no estado.

Equipes de emergência trabalhavam nos escombros de algumas cidades afetadas em busca de sobreviventes. A previsão meteorológica adverte para a formação de novos tornados.

"Agora tudo é um caos", disse James Firestone, prefeito da cidade de Vilonia, Arkansas, ao canal CNN.

"O centro da cidade parece ter sido completamente nivelado. Há poucos prédios parcialmente de pé, as tubulações de gás estão com grandes vazamentos. Tivemos algumas baixas", afirmou.

Firestone informou que a polícia e os bombeiros de cidades próximas, assim como oficiais da Guarda Nacional, seguiam para Vilonia.

Tornado deixou um rastro de destruição em Mayflower,  (Foto: Cortesia de James Bryant / via AP Photo)Tornado deixou um rastro de destruição em Mayflower (Foto: Cortesia de James Bryant / via AP Photo)
Imagens exibidas pelo canal local THV11 mostraram carros virados, casas destruídas e muitos escombros.

Os tornados devastaram ainda grande parte da cidade de Mayflower, uma localidade de 2.300 habitantes ao noroeste de Little Rock, a capital do estado do Arkansas.

A autoestrada 40, uma das grandes vias da rota leste-oeste dos Estados Unidos, foi fechada na altura de Mayflower em consequência das crateras e veículos tombabos na pista.

Quase 15.000 casas estavam sem energia elétrica após a passagem dos tornados.

"Foi uma noite realmente terrível para muitas famílias, moradores e comunidades, mas os cidadãos do Arkansas sempre ajudam uns aos outros na recuperação", escreveu o governador do estado, Mike Beebe, no Twitter.

A magnitude exata dos danos ainda será avaliada.

Em Oklahoma, um tornado afetou a localidade de Quapaw.

"Várias casas e edifícios foram danificados, alguns destruídos", disse à AFP Kali Cain, da Agência de Gestão de Emergências.

Uma unidade do corpo de bombeiros foi destruída e também existem danos na zona norte da localidade.

No vizinho estado do Kansas, dezenas de casas ficaram destruídas, mas não foram registradas vítimas até o momento.

Em Iowa, um tornado acompanhado de fortes chuvas atingiu especialmente a cidade de Oskaloosa, onde muitas casas foram afetadas.

O presidente Obama, que está em viagem pelas Filipinas, enviou uma mensagem de condolências e incentivo aos moradores das regiões afetadas. Também prometeu ajuda do governo federal.

"Quero que todos saibam que seu país está presente para ajudá-los a enfrentar e a reconstruir, pelo tempo que for necessário", disse.

O Serviço Nacional de Meteorologia advertiu para uma grave ameaça climática, com "alto risco de tempestades elétricas severas e tornados durante a noite e a madrugada no sudoeste e centro do Arkansas".

O restante do estado do Arkansas e a região sul do Missouri apresentavam riscos moderados.