10 outubro 2014

Paciente no Texas apresenta 'sinais e sintomas' de ebola, diz prefeitura

Comunicado foi divulgado por prefeitura de Frisco na tarde desta quarta.
Hospital Texas Health Presbyterian recebeu paciente com sintomas.


Do G1, em São Paulo

A prefeitura da cidade de Frisco, no Texas, divulgou uma nota, nesta quarta-feira (8), sobre um paciente que apresentou "sinais e sintomas" de ebola ao ser atendido pela clínica CareNow.

Segundo a nota, paramédicos e bombeiros estavam no processo de transporte do paciente no início da tarde desta quarta. "Eles também estão no processo de examinar a equipe clínica e outros funcionários do estabelecimento. O número de pessoas impactadas ainda é desconhecido", diz a declaração.

Segundo a prefeitura, o paciente alegou ter tido contato com o "paciente zero", de Dallas, referindo-se ao liberiano Thomas Eric Duncan, primeiro a ser diagnosticado com ebola nos Estados Unidos, que morreu nesta quarta-feira. A cidade de Frisco é um subúrbio de Dallas.

Mais tarde, o Hospital Texas Health Presbyterian, em Dallas, o mesmo onde Duncan foi diagnosticado com ebola, divulgou uma nota dizendo que um novo paciente tinha sido admitido na instituição depois de reportar "possível exposição" ao vírus.

"Neste momento, há mais perguntas do que respostas sobre esse caso. Nossa equipe de enfermeiros e médicos está preparada para examinar o paciente, discutir quaisquer achados com as agências apropriadas e autoridades. Estamos em alerta com precauções e sistemas em vigor", diz a nota divulgada pelo hospital.

Segundo a CNN, o chefe dos bombeiros de Frisco, Mark Piland, disse a repórteres, nesta quarta-feira, que o paciente entrou no apartamento onde Duncan tinha estado e teve "algum contato" com seus familiares.

Ele afirmou ainda que o paciente apresentou sintomas suficientes para acionar a triagem preliminar. Segundo ele, as autoridades de saúde estão tratando o caso como um "evento de baixo risco".

Morte de paciente

A morte de Duncan foi anunciada pelo Hospital Texas Health Presbyterian nesta quarta-feira. Ele havia tomado um medicamento experimental chamado brincidofovir no último sábado (4), quando seu estado de saúde passou de grave a crítico.

"É com profunda tristeza e com sincero desapontamento que informamos a morte de Thomas Eric Duncan às 7h51 desta manhã", dizia um comunicado do porta-voz do hospital.

Duncan foi a primeira pessoa diagnosticada com ebola nos Estados Unidos e acredita-se que ele tenha sido infectado na Libéria.

Moradores da capital liberiana acreditam que Duncan pegou a doença quando ajudou uma mulher enferma a entrar em um táxi para ser levada ao hospital.

Diversos pacientes norte-americanos foram enviados da África Ocidental para serem tratados nos Estados Unidos, mas Duncan foi a primeira pessoa a começar a demonstrar sintomas da doença já em território norte-americano.

Duncan conseguiu voar de Monróvia, capital da Libéria e epicentro do surto de ebola, para os EUA porque não apresentou febre ao ser examinado no aeroporto e preencheu um questionário dizendo que não teve contato com qualquer pessoa infectada pelo vírus letal.

Quase 3,9 mil mortos

A pior epidemia de ebola já registrada matou 3.879 pessoas, de 8.033 casos até o dia 5 de outubro na África Ocidental, de acordo com um balanço divulgado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta quarta-feira (8). Não há evidência de que a epidemia esteja sob controle.


Postar um comentário