28 setembro 2014

Após chuva em SP, nível do Sistema Cantareira se estabiliza

Neste sábado (27), índice manteve-se o mesmo do dia anterior: 7,2%.
Sistema Cantareira não registra aumento de nível desde maio.


Do G1 São Paulo
Após a chuva que atingiu a Grande São Paulo nesta sexta-feira (26), o nível do Sistema Cantareira teve dia de recuperação. De acordo com medição da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), neste sábado (27), o índice manteve-se o mesmo em relação ao dia anterior: 7,2%. O Cantareira não registra aumento de nível desde maio.

Um barco é visto no meio do leito de lago quase seco atrás da represa Nazaré Paulista, que faz parte do Sistema Cantareira, que fornece água para a cidade de São Paulo. A pior seca em 80 anos deixou o sistema com o menor nível de água já registrado (Foto: Roosevelt Cassio/Reuters)Um barco é visto no meio do leito de lago quase seco atrás da represa Nazaré Paulista, que faz parte do Sistema Cantareira, que fornece água para a cidade de São Paulo. A pior seca em 80 anos deixou o sistema com o menor nível de água já registrado (Foto: Roosevelt Cassio/Reuters)

Nesta quinta-feira (25), o secretário estadual de Recursos Hídricos de São Paulo, Mauro Arce, afirmou que o atual volume de água do Cantareira abastece a população até novembro.

“Continuando sem chover, o atual volume do Cantareira nos garantiria (...) até o dia 21 de novembro com o volume que eu tenho hoje”, disse. O sistema atende, atualmente, 6,5 milhões de pessoas só na Grande São Paulo.

Apesar de o secretário ter citado especificamente a contagem regressiva de 52 dias, o total é diferente. Se contado o intervalo entre esta quinta e o dia 20 de novembro, seriam 57 dias ainda com abastecimento da atual cota do volume morto.

Desde o dia 16 de maio, o sistema capta água do seu volume morto. À época, o Cantareira marcava 8,2% da capacidade, menor nível em suas medições. Naquela data, o acréscimo da reserva técnica elevou a capacidade para 26,7%. Mas, desde maio, o sistema continuou entregando mais água do que recebe.

Em 3 de setembro, após 101 dias de queda, o sistema registrou um dia de estabilidade, mantendo 10,7%, mesmo nível registrado um dia antes. No entanto, voltou a cair no dia seguinte, atingindo 10,6%. Desde então, não foram mais registrados dias de estabilidade no Cantareira.

A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) informou nesta segunda-feira (22) que a segunda cota da reserva técnica do Sistema Cantareira, conhecida como volume morto, elevará o nível dos reservatórios em 10,7 pontos percentuais.

A Sabesp não informou quando começará a captação da segunda cota do volume morto. O SPTV, no entanto, apurou que cálculos dos técnicos da companhia apontam que o uso deve começar na segunda quinzena de novembro. Segundo a Sabesp, a obra, autorizada pelos órgãos reguladores, já está pronta e que as bombas só serão utilizadas se houver necessidade.

Se a segunda parte da reserva técnica começasse a ser explorada a partir desta segunda-feira, o nível do sistema pularia de 8% para 18,7%. São 106 bilhões de litros abaixo das comportas. A capacidade total do Cantareira é de 400 bilhões de litros, de acordo com a companhia.


Postar um comentário