11 agosto 2014

Filhotes de onça nascem em parque zoobotânico no sudeste do PA

Casal de onça preta e onça-pintada recebe cuidados especiais.
É a segunda vez que parque reproduz espécie ameaçada de extinção.


Do G1 PA

Um casal de filhotes de onça preta e onça-pintada nasceu em um parque zoobotânico localizado em Parauapebas, no sudeste do Pará. Os irmãos, uma fêmea preta e um macho pintado, estão em local reservado, onde recebem cuidados especiais dos tratadores.

Fêmea preta e macho pintado recebem cuidados especiais dos tratadores em parque zoobotânico de Parauapebas, no PA. (Foto: Salviano Machado/Vale)Fêmea preta e macho pintado recebem cuidados especiais dos tratadores em parque zoobotânico de Parauapebas, no PA. (Foto: Salviano Machado/Vale)

É a segunda vez que a espécie, ameaçada de extinção, consegue se reproduzir no parque, a primeira foi em 2002. Os pais, que assim como os filhos, são da cor preta e pintada, já vivem no local há três anos desde que foram doados pelo Ibama do Pará.

"O nascimento dos filhotes no Parque da Vale aumenta a expectativa de conservação da espécie já que a reprodução de indivíduos pretos (melânicos) é raríssima. Para se ter uma ideia, na natureza a população de onça-preta é estimada em apenas 10%", explica Leandro Maioli, biólogo do Parque Zoobotânico Vale (PZV).

A onça-pintada é tida como o animal símbolo da fauna brasileira. O felino vive em regiões quentes e temperadas do continente americano, desde o sul dos Estados Unidos até o norte da Argentina. No Brasil, a espécie é encontrada em todos os biomas.

Inaugurado em 1985, o parque ocupa uma área na Floresta Amazônica de 30 hectares, localizada no coração da Floresta Nacional de Carajás, Unidade de Conservação Federal administrada, protegida e fiscalizada pelo ICMBio. Dos 30 hectares que ocupa, 30% foram utilizados para a construção de recintos e área de apoio. O parque mantém atualmente um plantel de mais de 260 animais. Entre as espécies existem algumas ameaçadas de extinção, como a onça-pintada, arara-azul-grande, ararajuba, macaco-aranha-da-testa-branca e macaco-cuxiú.

O local é aberto à visitação pública diariamente, das 9h às 15h30. A entrada é gratuita.


Postar um comentário