07 julho 2014

Dois casos de febre Chikungunya são confirmados no RJ

Doença é semelhante à dengue e transmitida pelo mesmo mosquito.

Febre veio com pessoas que estiveram na África, Ásia ou América Central.


Do G1 Rio

O Brasil já registrou este ano 17 casos de uma doença parecida com a dengue, chamada "febre Chikungunya". Como mostrou o Bom Dia Rio nesta segunda-feira (7), dois casos foram confirmados no estado do Rio de Janeiro até agora.
Todas as vítimas foram contaminadas fora do país, mas as autoridades estão monitorando a situação, pois milhares de turistas estão chegando ao Rio durante a Copa.

A doença, segundo o Ministério da Saúde, é causada por um vírus do gênero Alphavirus e transmitida por mosquitos do gênero Aedes, sendo o Aedes aegypti (transmissor da dengue) e o Aedes albopictus seus principais vetores. 

O superintendente de Vigilância Epidemiológica e Ambiental da Secretaria de Estado de Saúde (SES), Alexandre Chieppe, diz que todo cuidado é necessário para identificar as pessoas doentes e tomar as providências para evitar que a doença seja introduzida no Brasil. Segundo Chieppe, existem condições ambientais e a presença dos mosquitos que transmitem esse vírus, mas ainda não há evidência de que ele circule pelo Rio de Janeiro nem no Brasil.

"A febre Chikungunya se parece muito com a dengue. Entretanto, tem uma dor articular muito mais marcada que a dengue. Tem febre, dor no corpo, mas uma dor articular muito mais intensa. Então, pessoas que viajaram para locais na África, na Ásia ou na América Central com transmissão da Chikungunya e que voltaram ao Brasil com febre, dor no corpo e nas articulações devem procurar um serviço de saúde para que seja comunicado esse caso  à Secretaria Estadual de Saúde e à prefeitura, para que as medidas necessárias sejam adotadas", destacou o superintendente.

De acordo com Chieppe, as pessoas contaminadas já confirmadas no estado estão bem fisicamente. Foi feita a confirmação laboratorial da doença e realizado o manejo ambiental no local onde esses pacientes moram e trabalham. "Eles estão bem. Essa é uma doença que não tende a apresentar formas graves como a dengue", disse.

Chieppe destacou, porém, que a doença preocupa pelo fato de o Rio ser um centro turístico muito intenso, com pessoas vindo de vários países do mundo, inclusive de locais onde circulam doenças muito diferentes para a população brasileira, como a febre Chikungunya. No entanto, o superintendente disse que as pessoas podem ficar tranquilas porque ainda não há evidência de circulação desse vírus no país.

O superintendente explicou que não há tratamento específico para a doença, apenas para aliviar os sintomas, com o uso de remédios.


Postar um comentário