Chuva no Oeste de SC deixa desalojados e rodovias interditadas

Famílias precisaram sair de casa por causa da precipitação desta quinta.
Quatro rodovias foram interditadas e aulas foram suspensas em 19 locais.


Do G1 SC

Várias cidades do Oeste catarinense já apresentam problemas devido à forte chuva que atinge a região desde a madrugada desta quinta-feira (26). Municípios como Joaçaba, Herval do Oeste, Luzerna, Capinzal e Lacerdópolis fazem levantamentos dos prejuízos para avaliar as medidas que serão tomadas para auxiliar as vítimas das enchentes. Até a tarde de quinta foram registrados desalojados, desabrigados, vias alagadas e desmoronamentos de terra. Os números ainda estão sendo levantados, segundo a Defesa Civil regional. Ao menos quatro rodovias apresentam problemas e 19 escolas suspenderam as aulas.

Confira fotos dos estragos das chuvas em SC

De acordo com o órgão, os municípios de Mondaí e Luzerna foram os que tiveram maior incidência de volume de água. Além de danos materiais, famílias estão desalojadas.

Em Mondaí, Rio Uruguai transbordou e inundou comunidades (Foto: Eliza Suelo/Divulgação)Em Mondaí, Rio Uruguai transbordou e inundou comunidades (Foto: Eliza Suelo/Divulgação)

Segundo o meteorologista Leandro Puchalski, o volume de chuva registrado em algumas cidades do Oeste já ultrapassa em três vezes o esperado para o mês inteiro, que seria 300 milímetros. A tendência é que a chuva se intensifique ao longo da tarde desta quinta e tenha ainda mais força na madrugada de sexta (27). Um ciclone extratropical deve chegar a Santa Catarina entre sexta e sábado (28).

Tráfego interrompido

Na manhã desta quinta-feira, algumas rodovias apresentaram problemas de interdições por quedas de barreira e alagamentos. Houve deslizamento de terra e rios começaram a transbordar. Segundo a prefeitura de Joaçaba, a rua Amábile Falavinha teve erosão do asfalto por falta de escoamento de água. Já na Sete de Setembro, ocorreu desmoranamento de terra, pedras e árvores e o trânsito ficou em meia pista.

Rodovias federais e estaduais também apresentam problemas. Ocorreu queda de barreira na BR-282, no km 224, em Lages, na Serra catarinense. A pista ficou totalmente interrompida e o trânsito foi desviado para uma estrada secundária. Já em Cunha Porã e Palmitos, no Oeste do estado, quedas de barreira com deslizamento de encostas prejudicaram o tráfego. O trânsito na BR-158 segue praticamente todo interrompido, pela incidência de diversos desmoronamentos, segunda a PRF.

Segundo a PMRv de Concórdia, houve queda de barreira no km 31 da SC- 283, no município de Arabutã. A estrada que liga Seara a Concórdia, no Oeste, está interditada por quedas de árvores e lama na pista. Já o km 133 da SC-155, próximo ao município de Itá, está completamente fechado por rachaduras na pista. O trânsito foi desviado para o perímetro urbano. Entre os município de Riqueza e Caíba, a PMRv de Iporã do Oeste avalia a necessidade de fechar o acesso a ponte da SC-283.

Escolas

Muitas escolas da rede pública municipal e estadual estão com as aulas suspensas no Oeste de Santa Catarina devido as chuvas que estão caindo na região. No total, 19 educandários informaram no final da manhã desta quinta-feira (26) que não abrirão. Segundo a Secretaria de Estado da Educação, o órgão e suas regionais estão em alerta e monitorando todas as unidades escolares nesta quinta-feira (26).

Cidades mais atingidas

Joaçaba

De acordo com o secretário de Desenvolvimento de Joaçaba, Jorge Ronaldo Pohl, a Defesa Civil constatou que o solo da cidade não tem mais condições de receber a água das chuvas e está vulnerável à sedimentação. “Mesmo com menos de 60 milímetros de volume de chuva na cidade hoje, a topografia da região e o volume crescente dos rios possibilitou as enchentes. Estamos trabalhando em conjunto para atender a população”, informa.

Bombeiros, Polícia Militar, Polícia Rodoviária e Serviço de Atendimento Móvel de Urgência atuam em conjunto com a Defesa Civil. Segundo o secretário, já há um grande número de desalojados e desabrigados ainda não contabilizado pelas prefeituras. Igrejas e ginásios municipais foram adaptados para abrigos temporários. “Muitas pessoas estão se mobilizando em torno da causa. Temos vários voluntários e alguns caminhões-baú foram disponibilizados pela população”, explica.

A região central da cidade, banhada pelo Rio Tigre, teve a população afetada pelas águas que transbordaram. Situação semelhante às margens do Rio do Peixe. Comunidades ribeirinhas já foram desalojadas pelas inundações.

Mondaí

O Rio Uruguai, que banha o município de Mondaí, no Oeste, estvam com aproximadamente 13 metros de altura no final da tarde desta quinta. As ruas do interior do município que são banhadas pelos córregos que abastecem o rio transbordaram. O manancial principal sobe acima de 20 centímetros por hora.

De acordo com o secretário de planejamento do município, Marcos Dischkaln, pelo menos cinco famílias foram encaminhadas para a casa de parentes. Dentre os registros mais expressivos, a comunidade da Vila Catre foi inundada e um posto de combustível está embaixo d´água.

Luzerna

Segundo o oficial da Defesa Civil de Luzerna, no Oeste, Regis Weiseer, oito famílias já foram encaminhadas para um abrigo municipal, montado no Centro de Eventos da cidade. O Rio Limeira, no centro da cidade, transbordou e afetou toda a população da região.

A Defesa Civil monitora o Rio Pinheira, na entrada do município, que é represado pelo Rio do Peixe. “Até chegar a noite, se continuar no mesmo volume, teremos que interditar a ponte de entrada do município”, diz Weiseer.

Ciclone extratropical

A Defesa Civil de Santa Catarina emitiu um alerta esta semana para a previsão de chuva forte no estado, especialmente no Oeste, Sul e Serra. A frente fria mais intensa está prevista para sexta-feira (27) e sábado (28), quando deve ocorrer a formação de ciclone extratropical que deve passar pelo Litoral Sul do estado. Outras áreas também podem ser afetadas com fortes precipitações, como Norte, Vale do Itajaí e Grande Florianópolis. Segundo o hidrólogo da Epagri/Ciram, Guilherme Miranda, o Litoral Sul apresenta maior possibilidade de cheias.

Prejuízos das chuvas de 6 a 8 de junho

No início deste mês, fortes chuvas atingiram o estado, principalmente, no Norte e Vale do Itajaí. Até esta quinta-feira, ao menos 12 municípios permaneciam com pontos de alagamentos. Porto União é o que apresenta maior área inundada.

A estimativa da Defesa Civil é de que os danos ocasionados pelas chuvas do início de junho passem dos R$ 519 milhões. O levantamento indica que aproximadamente 53 mil unidades tiveram prejuízos materiais no estado. No que diz respeito às perdas econômicas a organizações privadas, as administrações municipais estimam valores de R$ 42 milhões.

Conforme relatório da Defesa Civil de Santa Catarina, mais de 460 mil pessoas foram afetadas pelas chuvas do início do mês. Pelo menos 7 mil ficaram desabrigadas e cerca de 50 mil desalojadas. Em torno de 30 ficaram feridas e duas morreram, em Guaramirim e Mafra.

Foram atingidos 42 municípios pelas chuvas que caíram no início de junho. Destes, dois decretaram calamidade pública: Guaramirim e Rio Negrinho. Outros 37 declararam situação de emergência: Araquari, Balneário Barra do Sul, Bela Vista do Toldo, Benedito Novo, Calmon, Campo Alegre, Canoinhas, Corupá, Dona Emma, Doutor Pedrinho, Guaramirim, Irineópolis, Itaiópolis, Jaraguá do Sul, José Boiteux, Laurentino, Lebón Régis, Mafra, Major Vieira, Matos Costa, Monte Castelo, Papanduva, Porto União, Presidente Getúlio, Rio das Antas, Rio do Campo, Rio do Oeste, Rio dos Cedros, Rio Negrinho, Santa Terezinha, São Bento do Sul, São João do Itaperiú, Taió, Timbó, Timbó Grande, Três Barras e Vitor Meireles.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas