12 julho 2013

Água radioativa de Fukushima estaria atingindo o Pacífico, diz agência

Há suspeita de que água contaminada pode ter chegado ao mar.
Usina nuclear do Japão sofreu danos com terremoto e tsunami em 2011.


France Presse

A agência nuclear do Japão afirmou nesta quarta-feira (10) que os reatores acidentados da usina de Fukushima provavelmente estão lançando substâncias altamente radioativas no Oceano Pacífico. 

Membros da Autoridade de Regulação Nuclear (NRA) expressaram sua frustração à Tokyo Electric Power (Tepco), que não conseguiu identificar a fonte e a causa das leituras positivas de materiais radioativos nas águas subterrâneas.

"Há uma forte suspeita de que uma água residual altamente contaminada foi vazada para o chão e chegou ao mar", disse a autoridade em sua revisão por escrito das declarações recentes da Tepco.

A empresa que abastecia Tóquio e suas regiões vizinhas afirmou que amostras de água colhidas na usina de Fukushima Daiichi na terça-feira apresentaram níveis de césio-134 mais de 110 vezes maiores em comparação com os da última sexta-feira (5).

A Tepco não conseguiu identificar as razões exatas para o aumento destas leituras, mas ressaltou que as águas subterrâneas tóxicas provavelmente ficaram restritas ao local, detidas em grande parte por fundações de concreto e chapas de aço.

Radiação elevada

A empresa admitiu nas últimas semanas que amostras da água e do solo colhidas na usina de Fukushima estão mostrando leituras elevadas para outras substâncias potencialmente perigosas, incluindo o césio-137, o trítio e o estrôncio-90.

"Vejo que (a Tepco) não foi capaz de encontrar a causa desses picos de leituras", afirmou o presidente da NRA, Shunichi Tanaka, em uma reunião de seus comissários. "A Tepco afirma que não houve impacto significativo no meio ambiente. Mas temos de ver com certeza quais são as chances de isto provocar contaminação oceânica", disse Toyoshi Fuketa, um comissário da NRA.

Funcionários da NRA convocaram a Tepco a fornecer dados mais detalhados e confiáveis e fazer esforços para explicar melhor ao público o que sabe. As substâncias foram liberadas após o colapso dos reatores da usina, provocado pelo terremoto e tsunami de março de 2011.

Dezenas de milhares de pessoas que moravam em regiões próximas à usina foram forçadas a deixar as suas casas por causa da ameaça de radiação.


-->

Onda de calor mata 12 no Japão

Milhares de pessoas tiveram de ser hospitalizadas no país.
Temperaturas superam os 35 graus em várias cidades do arquipélago.


AFP


A onda de calor que afeta grande parte do Japão desde 6 de julho já matou 12 pessoas em Tóquio e levou milhares de pacientes aos hospitais.

As temperaturas superam os 35 graus em várias cidades das regiões leste, centro e oeste do arquipélago.

Mais de mil pessoas são hospitalizadas diariamente por algumas horas em consequência do calor, em alguns casos grupos de estudantes ou de idosos.

A maioria das vítimas fatais tinha mais de 65 anos.

As autoridades recomendam a economia de energia elétrica pelo déficit de produção, provocado pela paralisação dos reatores nucleares, mas aconselham, no entanto, o uso do ar condicionado.


09 julho 2013

Escola verde

Renault inaugura circuito dedicado à ecocondução, que ensina a obter ganhos de até 25% no consumo

Quatro Rodas

Pequenas mudanças no modo de condução dos motoristas podem ter grandes impacto na economia de combustível e, consequentemente, na emissão de poluentes. A ecocondução pode representar uma redução no consumo de até 25%. 

Com esse apelo, a Renault inaugura na cidade francesa de Saint-Just o "Circuit Renault, la route positive", um novo espaço de treinamento em condução segura e ecológica.

Aberto a pessoas físicas e empresas, o circuito dispõe de  uma frota de veículos verdes. Entre os modelos, o Fluence elétrico e o Mégane movido a diesel, equipados também com dispositivos de auxílio à condução, para pessoas com mobilidade reduzida.

Com um preço de 250 euros, o curso compreende meio período de aula teórica seguida de prática ao volante dos Renault.

Lá são apresentados os princípios da ecocondução (troca de marchas, gestão das acelerações e frenagens, antecipando-se às condições do trânsito) e se ensina a tirar o melhor proveito das funções (indicador do estilo de condução e balanço do trajeto).

A marca oferece desde 2008 o programa "driving Eco2" e já formou mais de 8.000 pessoas. 

Esse circuito, o primeiro do tipo na França, contou principalmente com o apoio da empresa Duprat Concept, operadora de vários parques temáticos. As empresas concordaram em reverter todo o lucro para ações sociais, destinadas a jovens.

O curso é aberto para condutores do mundo todo. Para fazer a inscrição, basta acessar www.circuit.renault.fr .

  -->

Onda de calor mata 3 e deixa 2.500 hospitalizados no Japão

Crianças e idosos são boa parte das vítimas.
Anticiclone encerrou temporada de chuvas de julho mais cedo.


AFP


Temperaturas altas e um sol abrasador custaram a vida de três pessoas no Japão e resultaram na hospitalização de mais de 2.500 no período de uma semana, anunciaram as autoridades.

Nesta terça-feira foram registrados 39,1 graus na prefeitura de Yamanashi (centro) e mais de 35 em muitas regiões do país.

Mais de 40% das pessoas internadas tinham cerca de 65 anos de idade, e também havia muitas crianças.

Um anticiclone se instalou no arquipélago nos últimos dias, pondo fim à temporada de chuvas que costuma terminar em meados de julho.


-->

Fukushima tem alta na taxa de césio radioativo

Teste mostrou que o nível de césio radioativo aumentou 90 vezes.
Tepco adotará medidas para impedir a contaminação do Oceano Pacífico.
 

France Presse

 Visão geral da usina de Fukushima Daiichi nesta segunda-feira (25), em vídeo divulgada pela Tepco (Foto: AP) Visão geral da usina de Fukushima Daiichi. (Foto: Arquivo / AP Photo)

A Tepco, administradora da central nuclear de Fukushima, no Japão, anunciou nesta terça-feira (9) que o nível de césio radioativo se multiplicou por 90 em três dias em um poço de teste situado entre os reatores e o mar. A descoberta provoca novas dúvidas sobre a possível propagação de água subterrânea contaminada.


Segundo testes realizados na segunda-feira (8), a água no subsolo em um ponto situado a 25 metros do mar continha 9.000 becquerels/litro de césio 134 e 18.000 becquerels de césio 137, contra 99 e 210 Bq/l, respectivamente, três dias antes. O fator de multiplicação é de 91 vezes no primeiro caso e de 86 no segundo.

"No momento não estamos em situação de poder dizer se a água contaminada vai ou não parar no mar", informou a Tepco à imprensa. O grupo promete reforçar os controles e adotar medidas para impedir a contaminação do Oceano Pacífico.

A Tepco descobriu na sexta-feira (5), no mesmo lugar, um níveis maiores de outros elementos radioativos: estrôncio 90 e outros elementos produtores de raios beta a 900.000 Bq/l. Na segunda-feira, o nível destas substâncias era quase idêntico: 890.000 Bq/l, milhares de vezes acima do admitido na água do mar.

A Tepco explicou que o poço de teste está situado próximo a um tubo por onde vazou grandes volumes de água contaminada um mês após a catástrofe atômica em Fukushima, atingida por um tsunami em 11 de março de 2011, mas isto não explica o súbito aumento do césio.

Após o tsunami, uma falha elétrica interrompeu a refrigeração dos sistemas e em três dos seis reatores ocorreu fusão do combustível, o que dispersou numerosos elementos radioativos.


-->