13 junho 2013

Petróleo vazado no Equador avança

Correio do Brasil
Por Redação, com DW - do Equador 


O vazamento foi provocado por uma ruptura no oleoduto Trans-Equatoriano
O vazamento foi provocado por uma ruptura no oleoduto Trans-Equatoriano

Mais de dez dias após rompimento de oleoduto na Amazônia equatoriana, mancha atinge o Peru, mas especialistas consideram poucas as chances de que chegue ao território brasileiro. Petrolífera ainda não estima danos.

O Ibama, a Marinha e Agência Nacional do Petróleo (ANP) estão em alerta, mas a dificuldade em precisar quantos dos cerca de 11.400 barris de petróleo vazados de um oleoduto na Amazônia equatoriana atingiram o rio Coca torna ainda complicado, mesmo mais de dez dias após o acidente, saber se a mancha realmente atingirá o Brasil. Apesar de cautelosos, especialistas tratam como improvável que o óleo cause danos ambientais em território brasileiro.

O vazamento foi provocado por uma ruptura no oleoduto Trans-Equatoriano (Sote) depois de um deslizamento de terra, em 31 de maio. O petróleo escorreu até o rio Coca e depois se deslocou até o Peru através do rio Napo. Como os dois são afluentes do Solimões, há a possibilidade de que chegue ao Brasil. O oleoduto já foi consertado, e o derrame foi contido no último dia 4 de maio .

- Ainda não existem dados oficiais sobre a quantidade de petróleo que caiu no rio Coca. Também não se sabe a dimensão dos danos – informou por e-mail à agência alemã de notícias DW Mercy Castro, porta-voz da EP Petroecuador, empresa responsável pelo oleoduto. “O vazamento foi controlado imediatamente e agora estão sendo realizados os trabalhos de limpeza. O curso do da mancha está sendo observado por terra, ar e rio.”

O deslocamento do petróleo ocorre em função dos ventos e da correnteza dos rios. A mancha já chegou a Loreto, no Peru, região próxima à fronteira com Tabatinga, no Brasil. Os governos equatoriano e peruano uniram forças no trabalho de limpeza.

- Está sendo realizado um trabalho em conjunto com o Peru para que as consequências sejam as menores possíveis – disse o embaixador do Equador na Alemanha, Jorge Jurado.

Barreiras de contenção

Ainda não se sabe se o petróleo será contido nesse local, pois além dos fatores naturais, o deslocamento depende do volume do líquido que vazou para o rio. Para Newton Narciso Pereira, pesquisador do departamento de Engenharia Naval e Oceânica da USP, se os dois países afetados já montaram barreiras de contenção de forma correta e iniciaram os processos de limpeza, a probabilidade de essa mancha chegar ao Brasil é pequena.

- Agora não há como garantir 100% que o petróleo não vai chegar, porque depende do plano de contingência e até agora não sabemos se esses países têm um plano eficiente para quando acontecer um acidente ter uma resposta rápida. Hoje, faz 12 dias que ocorreu o vazamento e a mancha se dispersou. Em termos de volume, não há uma informação correta, a própria companhia não informa a quantidade que caiu na água – afirmou Pereira.

Para o especialista, é difícil calcular o tamanho dos danos que esse vazamento pode causar em uma região como a Amazônia, que possui um ecossistema particular e muitas vezes ainda desconhecido. O petróleo, explica, pode se depositar no fundo do rio e nas encostas, contaminando microorganismos, peixes e aves.

- Os danos ambientais são severos. Mesmo após um processo de recuperação do habitat, sempre vai ficar um dano, porque não é possível retirar uma parcela desse petróleo, principalmente o que vai para o fundo e continua impactando a vida aquática daquela região – observa Pereira.

Segundo Gustavo Endara, coordenador de projetos da Fundação Friedrich Ebert em Quito, as consequências do acidente não são só ambientais, mas também econômicas e sociais. Devido ao vazamento, o abastecimento de água teve que ser cortado no município de Coca até o último fim de semana. O especialista afirma que os custos da limpeza também poderão, de alguma forma, impactar a economia do país.


11 junho 2013

Nova Friburgo inicia campanha “Queimada Zero”

Correio do Brasil
Por Redação, com ARN - do Rio de Janeiro

Durante os eventos comemorativos do Dia Mundial do Meio Ambiente, que se estenderam até este domingo, a prefeitura de Nova Friburgo região serrana do Rio lançou a campanha “Queimada Zero”, que tem por objetivo evitar as queimadas que todos os anos têm destruído as matas em todo o município, enfraquecendo a terra e podendo até ocasionar escorregamento.

Participaram do evento com seus estandes a Cruz Vermelha de Nova Friburgo, o escritório regional do IBAMA, Defesa Civil, Comando de Polícia Ambiental da Polícia Militar, Universidade Estácio de Sá, Fundação Natureza, Instituto Estadual do Ambiente (Inea), Comissão de Meio Ambiente da 9ª Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Agenda 21, Projeto Florestar & Cia. e Prefeitura/EBMA, além de viaturas do 6º Grupamento de Bombeiro Militar e ambulâncias da Fundação Municipal de Saúde.

A vice-prefeita Grace Arruda, representando o prefeito Rogério Cabral, enfatizou o lançamento da campanha “Queimada Zero” em Nova Friburgo. Ela explicou que estamos entrando no período do inverno, ocasião em que sempre aparecem as queimadas.

- Eu tenho certeza de que vou contar com a parceria de todos, principalmente dos que aqui se encontram, para educarmos durante o ano inteiro as nossas crianças nas escolas, porque os filhos é que educam os pais, para que tenhamos queimada zero em Nova Friburgo. E acrescentou: “Nós não podemos mais tolerar esse tipo de agressão ao meio ambiente porque precisamos preservar o planeta para as gerações futuras.

A Dra. Grace conclamou a todos os que passassem pela praça que visitassem os estandes e pegassem um folder de educação ambiental. “A participação da sociedade é fundamental para o fortalecimento de um novo processo educativo na construção de uma Nova Friburgo mais sustentável. Cada um sempre pode fazer a sua parte separarando o seu lixo orgânico do reciclável”. Ela comentou que visitou a Empresa Brasileira de Meio Ambiente (EBMA), que faz a coleta domiciliar de lixo no município, e viu como é feita a separação dos materiais recicláveis. E anunciou que a EBMA está colocando novos ecopontos na cidade para recolhimento de lixo reciclável.