13 dezembro 2012

As maiores e mais velhas árvores do planeta estão em risco de extinção, afirma pesquisa

AFP
Em Sydney (Austrália)

As maiores e mais velhas árvores do mundo estão desaparecendo de maneira alarmante, advertiram nesta sexta-feira (7) cientistas americanos e australianos. Os resultados de um estudo publicado pela revista Science concluíram que, em todas as partes do mundo, os organismos vivos mais antigos do planeta têm ameaça de desaparecer, caso não existam políticas de preservação.

"É um problema mundial que ocorre em quase todos os tipos de florestas", indicou David Lindenmayer, da Universidade Nacional da Austrália, que chefiou o programa de pesquisa.

"Da mesma forma que os grandes animais, como os elefantes, os tigres ou os cetáceos, cuja população está em forte declínio, uma série de indícios mostra que estas árvores correm o mesmo risco", ressaltou o estudo.

Lindenmayer iniciou a pesquisa com colegas da Universidade James Cook, da Austrália, e da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, depois de ter estudado amostras da década de 1860 retiradas de florestas suecas.

Os pesquisadores constataram um inquietante desaparecimento das grandes árvores entre 100 anos e 300 anos de idade em áreas da Europa, das Américas (tanto do Norte, quanto do Sul), da África, da Ásia e da Austrália. As sorveiras da Austrália, os pinhos dos Estados Unidos, as sequoias da Califórnia e os baobás da Tanzânia são as principais espécies em perigo.

Os incêndios florestais não são os únicos responsáveis, uma vez que a taxa de mortalidade é dez vezes superior ao normal, inclusive nos anos sem incêndios. Este fenômeno resulta, segundo os cientistas, de uma combinação de fatores como o aquecimento climático, o desmatamento e a necessidade de terras agrícolas.

"Estamos falando do desaparecimento dos maiores organismos vivos do planeta e de organismos que têm um papel determinante na regulação da riqueza de nosso mundo. A tendência é, de fato, muito preocupante", declarou Bill Laurance, da Universidade James Cook.

As grandes árvores são lugares de vida para cerca de 30% de aves e animais do nosso ecossistema. São também enormes poços de carbono, importantes reservas de substratos que permitem o desenvolvimento de um grande número de organismos e também influenciam o ciclo hidrológico.

10 dezembro 2012

Asfalto e usina mudam geografia do desmatamento ilegal no Pará

Frente de derrubada da floresta se deslocou para o sudoeste do Estado, que é o campeão de desmate na Amazônia

Bruno Beiro - O Estado de SP

 
Um levantamento da exploração de madeira no Pará, Estado apontado como campeão do desmatamento no País, mostra que obras de infraestrutura têm deslocado a atividade ilegal para o sudoeste paraense, ameaçando as ações que têm reduzido o desmatamento em outras áreas. Mesmo com ligeira queda, 60% da exploração de florestas locais ocorreu sem autorização entre agosto de 2010 e julho 2011.

Segundo o estudo, produzido pelo Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), 488 quilômetros quadrados foram desmaiados sem o aval da Secretaria de Estado de Meio Ambiente do Pará (Sema). Cerca de 72% da atividade foi realizada em áreas privadas, devolutas ou sob disputa. O restante ocorreu em assentamentos de reforma agrária (20%) e em áreas protegidas. 


Um dos responsáveis pela pesquisa, o engenheiro florestal e pesquisador do Imazon André Monteiro, destaca que a queda do desmatamento, que havia sido de 10% no período anterior, foi de apenas 5% neste levantamento. "O relatório dá a indicação de algumas regiões críticas. A exploração ilegal, que se concentrava no nordeste e sudeste, do Estado, está crescendo no sudoeste", afirma Monteiro.

Uma das principais causas, segundo ele, é a melhoria da BR-163, rodovia que vem sendo asfaltada para facilitar a ligação entre Santarém e Cuiabá. "Como o remanescente florestal está se esgotando nas outras regiões, a estrada asfaltada aumentou a circulação e facilitou a extração ilegal ali", diz o pesquisador. A participação da área no total de exploração ilegal no Estado subiu de 15% para 30%. Com isso, é possível que municípios como Uruará e Altamira subam nos índices de desmate ilegal.


Outras obras que têm tido influência no deslocamento da extração irregular, segundo o Imazon, incluem a pavimentação da Transamazônica e a construção da usina de Belo Monte.


Redução. Nas estatísticas oficias do governo sobre o desmatamento na Amazônia Legal entre agosto de 2011 e julho deste ano, o Pará aparece com o maior índice de florestas derrubadas, com 1.699 quilômetros quadrados. A secretaria de Meio Ambiente, porém, lembra que o Estado reduziu a taxa em 44%, em relação ao ano anterior. "Estamos fazendo uma vigilância contínua e os números mostram que o caminho é certo, porque estamos vencendo", disse o secretário estadual de Meio Ambiente, José Colares, por meio de nota.


O estudo do Imazon aponta que, além dos investimentos em infraestrutura, a demora na regularização de áreas de floresta pública tem freado o ritmo de queda no desmatamento. "Em locais como a zona de Itaituba 2 (uma Floresta Nacional), parece haver uma corrida dos invasores, que tentam extrair o máximo antes de ser adquirida pelo governo", diz André Monteiro.