19 julho 2012

Eletrosul irá instalar usina solar em Florianópolis

Correio do Brasil
Por Redação, com Ag. Rio de Notícias - do Rio de Janeiro

A Eletrosul publicou no Diário Oficial da União desta quarta-feira o resultado da concorrência internacional para implantação do projeto Megawatt Solar – uma usina fotovoltaica com capacidade instalada de um megawatt-pico (MWp), integrada ao edifício-sede da empresa, em Florianópolis (SC). O proponente vencedor foi o Consórcio Efacec Megawatt Solar, constituído pela portuguesa Efacec e Efacec do Brasil.

A escolha pelo critério menor preço, em regime de empreitada global, resultou no valor proposto homogeneizado de R$ 8.099.637,42, quase 15% inferior ao previsto no edital de aproximadamente R$ 9,5 milhões. Ao todo, oito proponentes participaram do certame.

Com a publicação do resultado, a expectativa da Eletrosul é que o processo licitatório seja concluído até meados de agosto. A partir da assinatura do contrato e das ordens de serviço com o vencedor da concorrência, o prazo para instalação do empreendimento é de oito meses.

O Megawatt Solar, com capacidade de um megawatt-pico (MWp), é um projeto inédito no Brasil, considerando o modelo (BIPV – sigla em inglês para Sistema Fotovoltaico Integrado à Edificação), o porte da usina e a forma de comercialização. A usina será conectada à rede elétrica local e a energia comercializada a consumidores livres.

Os cerca de 4 mil módulos solares que estarão no telhado do prédio e sobre a cobertura dos estacionamentos, totalizando uma área de aproximadamente 10 mil metros quadrados, devem gerar, em média, 1,2 gigawatts-hora (GWh) por ano, o que equivale ao consumo anual de cerca de 570 residências.

Projeto-piloto

Com o objetivo de prospectar resultados para o projeto Megawatt Solar e adquirir experiência e conhecimento, a Eletrosul implantou uma planta-piloto fotovoltaica em um dos estacionamentos frontais do edifício-sede, que entrou em operação em fevereiro de 2009. A produção de energia elétrica – 12 kilowatts-hora – atende parte do consumo do edifício-sede da empresa.

17 julho 2012

Búzios poderá ser número 1 da América Latina em consumo eficiente de energia

Correio do Brasil
Por Redação, com ABr - do Rio de Janeiro

O projeto Cidade Inteligente Búzios, incluído entre os dez mais relevantes em infraestrutura urbana de todo o mundo em relatório elaborado por uma empresa de consultoria internacional, está sendo desenvolvido neste município da Região dos Lagos, no Rio de Janeiro, pela Endesa Brasil, uma holding (união de empresas) que atua nas áreas de distribuição, geração, conversão e transmissão de energia no país.

O projeto abrange investimentos de R$ 35 milhões no período que vai deste ano a 2015 e tem a meta de tornar Búzios a primeira cidade da América Latina em consumo eficiente de energia.

O diretor de Relações Institucionais da Endesa Brasil, André Moragas, disse que a iniciativa prevê a introdução gradual em Búzios de novas tecnologias e inovações relacionadas à rede elétrica que possam trazer benefícios diretos para o consumidor. Para tanto, já começaram a ser feitos testes com tecnologias conhecidas e com outras que estão chegando ao Brasil

Um exemplo é um medidor digital de energia, instalado em caráter experimental em 200 casas do município, que permite não só a medição normal da energia consumida, mas que o morador saiba que cômodo está gastando mais energia e a que horas isso ocorre. “Isso, no futuro, permitirá que haja no futuro descontos diferenciados, como ocorre hoje com a telefonia. Dependendo da hora em que a energia é usada, o preço pode cair, pode haver descontos por horário.”

Moragas informou que esse medidor faz também transações comerciais com a companhia de energia. Se o usuário instalar, por exemplo, um painel solar em sua casa, poderá gerar energia para consumo próprio e ainda revender o excedente à concessionária. Caso a experiência tenha resultado positivo, o uso do medidor poderá se transformar em uma prática de mercado.

O projeto prevê também a troca de grande parte do parque de iluminação pública de Búzios por lâmpadas de LED, que são 80% mais econômicas do que as tradicionais e até 20 vezes mais resistentes, além de ter manutenção mais baixa, acrescentou Moragas. “Já estamos testando eficiência e redução do consumo. Com isso, haverá redução do custo de energia no município e o que for economizado poderá ser usado em outras obras”.

Também fazem parte do projeto a troca de lixo reciclável por desconto na conta de energia; experiências de geração distribuída para abastecimento de uma casa, sem ligação com a rede elétrica, como paredes solares; e, na área da mobilidade urbana, o incentivo ao uso de bicicletas e carros elétricos, que serão testados nas frotas hoteleira e de táxis, com o objetivo de reduzir a poluição sonora e a emissão de gases de efeito estufa.

De acordo com Moragas, a meta é usar Búzios como um grande laboratório, no qual serão testadas diversas tecnologias, e saber como elas vão infuenciar no dia a dia da população, para que sejam depois ampliadas e massificadas para o resto da sociedade. A Endesa Brasil pretende estender o teste básico, em Búzios, a até 500 clientes. Depois, se os resultados forem positivos, o projeto será estendido a todo o município até o fim do projeto, em 2015.

O projeto será acompanhado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), como uma base para uma eventual mudança na legislação. “Se for bem sucedido, esperamos ter uma base legal para instalar isso de forma massiva para todos os clientes e, no futuro, instalar medidores desse tipo em todos os municípios”, disse Moragas.