05 janeiro 2010

Lotada, estação de pesquisa antártica causa impacto

Esgoto, ruído e poluição criados pela presença humana afetam o frágil ecossistema local, que já sofre com o aquecimento global

EDUARDO GERAQUE
ENVIADO ESPECIAL À ANTÁRTIDA - FOLHA DE SP

O crescimento urbano desordenado não é uma preocupação apenas de metrópoles como São Paulo. Na península Antártica, um dos ecossistemas mais frágeis do mundo, gerenciar "microcidades" como a estação de pesquisas Comandante Ferraz é um desafio -e qualquer meia dúzia de pessoas a mais no local já faz diferença.

"O plano diretor que nós fizemos para Ferraz infelizmente não está sendo cumprido", diz a arquiteta Cristina Engel, da Universidade Federal do Espírito Santo. Especialista em construções em lugares inóspitos, a pesquisadora estuda como garantir que a estrutura de Ferraz e dos refúgios que o Brasil tem espalhados pelo arquipélago das Shetlands do Sul tenham impacto ambiental próximo do zero.

Segundo Engel, uma das premissas do plano é que não deveria haver aumento no número de ocupantes da estação, planejada para acomodar até 60 pessoas. Neste ano, foram 64, com gente "morando" nos refúgios, pequenos módulos espalhados pela baía do Almirantado, coisa que não deveria ocorrer.

"Ferraz não pode mais crescer", diz. "Temos esgoto, ruído, poluição do ar e, principalmente, a alteração na paisagem."

A presença humana, o aquecimento global e a fragilidade intrínseca do ecossistema polar compõem um quadro perigoso para o equilíbrio dos ciclos naturais antárticos.

Por isso, entre os cientistas que trabalham em Ferraz, o sinal de atenção está aceso. "Toda poluição começa pequena, mas depois ela vai crescendo. Os grandes problemas são aqueles que não foram resolvidos no momento correto", afirma Edson Rodrigues, da Unitau (Universidade de Taubaté).

"A poluição hoje é pontual. No caso do esgoto [tratado antes de ser lançado no mar], ela atinge o entorno da estação [menos de cem metros]."

Frágil

O grande problema é que a relação entre seres vivos na Antártida é delicada, o que pode agravar a situação.

Quase todos, direta ou indiretamente, dependem do krill, um pequeno crustáceo que vive na coluna d'água e serve de comida para baleias e pinguins.

As espécies que dependem do krill têm sofrido com o degelo acelerado na península (resultado da mudança climática), que espanta os cardumes.

A presença humana só piora a situação dos animais. As nove estações da baía que margeia a ilha Rei George chegam a abrigar aproximadamente mil pessoas entre novembro e abril, período de verão.

Ferraz tem tido um desempenho ambiental acima da média das outras estações. Ainda assim, queima em média mil litros de óleo diesel ao dia.

As cintas térmicas, usadas para que as tubulações que trazem água dos dois lagos de abastecimento não congelem, são as grandes vilãs do consumo energético. A modernização das resistências usadas nos canos anticongelantes seria o ideal, diz Engel.